Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O embate entre duas ideias

O embate entre duas ideias

13/10/2020 José Pio Martins

O capitalismo tem defeitos? Tem, e muitos. Devemos nos conformar com seus defeitos? Não, não devemos.

São essas duas perguntas e suas respostas que levam os autoproclamados “esquerdistas” a aderir ao socialismo, sob o argumento de que, “se o capitalismo tem defeitos e se não devemos nos conformar, então cumpre destruí-lo e substituí-lo por outro sistema, o socialismo”.

Até aí, há certo encadeamento lógico no raciocínio, e a solução seria correta se não fosse por um detalhe: o socialismo é muito pior, pois, além de não ter as qualidades do capitalismo, não conduz o povo ao bem-estar social e ainda acrescenta-lhe defeitos inaceitáveis.

As principais qualidades do capitalismo são as seguintes: é o mais eficiente sistema de geração de riqueza; e é o único sistema compatível com três liberdades: a liberdade individual, a liberdade política e a liberdade econômica.

Já os principais defeitos são os ciclos econômicos, que alternam períodos de expansão e períodos de recessão, e a desigualdade de renda entre as classes sociais. Mitigar ambos os defeitos, essa é a principal função do Estado.

Os males do socialismo são: falta de liberdade individual, decorrente da proibição à pessoa sobre a decisão do que fazer de sua vida e de apropriar-se dos frutos de seu trabalho; a eliminação da liberdade econômica, pela supressão do direito de empreender e do direito de propriedade; e a inexistência de liberdade política, pela proibição do direito de divergir e de escolher livremente os representantes do povo.

Por seus defeitos, sobretudo o veto de o indivíduo empreender e deter propriedade com o próprio trabalho, o socialismo destrói o ímpeto produtivo, o espírito empreendedor e a capacidade inovadora do homem.

O socialismo real nunca se mostrou capaz de gerar riqueza, sem o que a solução da pobreza torna-se inviável.

A sociedade é algo complexo e o mercado resulta de bilhões de decisões diárias. Não há sistema de governo nem aparelho burocrático capaz de descobrir, item a item, o que produzir e quanto produzir, nem capaz de despertar o espírito de criação e inovação.

O mercado, embora com defeitos, é o melhor instrumento inventado para prover o atendimento às necessidades e desejos da população.

Tudo o que foi tentado de diferente não conseguiu eliminar os defeitos do mercado e ainda acrescentou-lhe defeitos novos, dos quais os piores são a escassez de produtos e as crises de abastecimento.

Um pedaço de madeira, retirado de uma árvore, é um recurso escasso e finito. Decidir se deve virar uma mesa ou uma escultura não é tarefa para nenhum burocrata, mas para a livre manifestação da sociedade sob o sistema competitivo de preços.

O mercado é um sistema de votação diária, no qual bilhões de operações são realizadas a cada hora entre compradores e vendedores, produtores e consumidores.

A questão é simples: o socialismo – no qual não é permitido o direito de propriedade privada e tudo é produzido pelo Estado sob a gerência de funcionários e não de empreendedores – não é capaz de cumprir as complexas funções econômicas em um mundo de tanta complexidade.

Ademais, o ser humano não é um anjo de bondade; antes, é um animal racional movido a interesses e incentivos, que são os insumos da criação, da inovação e da disposição para correr riscos.

Assim, no embate entre as duas ideias – a socialista e a capitalista –, o capitalismo revelou-se mais eficiente para resolver as questões econômicas essenciais e promover a prosperidade material.

Mitigar-lhe os defeitos (já que não é possível eliminá-los) é o grande desafio da sociedade e do Estado.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos:


Combate ao terrorismo após 11 de setembro: incertezas e desafios

Faz 20 anos que acompanhamos, principalmente pela televisão, o maior ataque terrorista da história contemporânea.