Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O empresariado e a crise

O empresariado e a crise

07/11/2008 Dirceu Cardoso Gonçalves

A fusão Itaú-Unibanco, além de gerar o maior banco brasileiro, superando até o oficial Banco do Brasil, que luta internamente para se safar das ingerências político-governamentais, deflagrou o saudável processo de modernização no setor financeiro.

Outras instituições já se preparam para reagir à meganegociação dos Setubal e Moreira Salles, para também continuarem competitivas. E fazem isso diante dos bancos internacionais que já chegaram ao mercado local. O processo – que deverá se estender também a outros setores da economia – segue a uma tendência mundial e demonstra a maturidade do empresariado nacional que, mesmo diante da crise mundial anunciada em prosa e verso e explicitada no comportamento do câmbio e das bolsas de valores, ousa empreender e modernizar seus negócios. Espera-se que o governo, cuja participação mais significativa na economia tem sido a cobrança de altos impostos e a prática de uma política de juros elevados, faça pelo menos a sua parte e conduza a política econômica oficial de forma a apoiar a iniciativa privada e a deixá-la trabalhar e cumprir sua vocação de alavancagem ao desenvolvimento nacional.

Com todas as dificuldades e incertezas econômicas pré e pós Real, o empresariado brasileiro nunca deixou de investir e fortalecer seus negócios. Desde a abolição da escravatura, há 130 anos, passando pela profissionalização da agricultura, instalação da indústria extrativista, de bens de consumo e de alta tecnologia, podemos identificar uma grande caminhada onde os brasileiros conseguiram inserir nosso país no mercado internacional. Hoje temos as mais importante construtoras atuando mundo afora, a indústria automobilística que disputa mercado com os tradicionais centros do ramo, a grande e controversa indústria energética (petróleo, etanol e biodiesel) e os nossos empresários do setor financeiro preparam-se para a grande arrancada internacional, movidos pelas oportunidades da globalização.

É comum dizer que o Brasil caminha para um grande futuro, independentemente de quem esteja no governo. A prática e o desencanto gerado por atitudes dos governantes e seus circundantes muitas vezes levam a esse raciocínio pessimista. A classe política precisa adotar medidas concretas para provar que essa “verdade popular” não chega a ser uma verdade. Se, de um lado, temos uma importante economia gerada e administrada pelo mundo dos negócios, é bem verdade que possuímos uma dívida social astronômica com a própria população. Um país com todo esse desempenho econômico não pode continuar assistindo passivamente a seus cidadãos morrerem sem atendimento nas portas dos hospitais, escolares diplomados sem saber ler e escrever, o desemprego em altos níveis e a segurança pública perdendo terreno para o crime organizado. Precisamos encontrar um meio de, também, fundir a competência e as virtudes do meio empresarial com a inoperância e a falta de ação do setor público para, dessa fusão, se possível, sacar a grande nação que sempre sonhamos.

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – diretor da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.