Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O equilíbrio climático deve ser uma bandeira apartidária

O equilíbrio climático deve ser uma bandeira apartidária

23/10/2018 André Ferretti e Carlos Rittl

Estamos a alguns dias do segundo turno das eleições que decidirão quem será o futuro presidente do nosso País.

O equilíbrio climático deve ser uma bandeira apartidária

Entre as dezenas de propostas apresentadas em diversas áreas de extrema importância para os brasileiros, algumas estão com o alerta vermelho ligado. O presidente eleito, independentemente da sua bandeira partidária, não poderá tratar com descaso a mudança climática que o nosso planeta vive. Ao nosso ver, este é o maior desafio da humanidade neste século.

Contrariando o que muitos pensam, isso não é apenas de uma preocupação ambiental. Trabalhar pelo equilíbrio climático – seja em hábitos individuais, atitudes organizacionais ou políticas públicas – é determinante para questões como qualidade de vida, segurança alimentar, desenvolvimento econômico, investimentos, infraestrutura, defesa civil e muitas outras.

Precisamos correr contra o tempo. O clima está mudando e desafia o Brasil e todas as nações a se adaptarem. Contudo, o tema vem sendo praticamente ignorado na corrida presidencial e medidas extremas aventadas ao longo da campanha – como a possibilidade de sairmos do Acordo de Paris e a desestruturação de órgãos e mecanismos ambientais de extrema relevância para a conservação de nosso patrimônio natural – podem colocar abaixo conquistas ambientais históricas.

O Acordo de Paris é um instrumento de governança global extremamente importante para o desenvolvimento econômico, social e ambiental que define medidas de redução da emissão de gases de efeito estufa a partir de 2020 e estabelece mecanismos para que todos os países limitem o aumento da temperatura global e fortaleçam a defesa contra os impactos inevitáveis da mudança climática. Abandonar o tratado seria ignorar todos esses benefícios e seguir os passos de Donald Trump, que fez com que os Estados Unidos sejam o único país do mundo a querer sair do acordo.

Caso essas medidas se confirmem a partir de 2019, esta será uma das maiores, se não a maior ameaça já vista ao patrimônio natural brasileiro desde a redemocratização. Tal fato seria desastroso para a sociedade e para a economia.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) indica, por exemplo, que limitar o aquecimento global a 1,5°C reduziria impactos sobre ecossistemas, saúde humana e bem-estar, tornando mais viável o alcance dos objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas. Decisões políticas não podem simplesmente ignorar dados científicos.

O Brasil é o País com a mais rica biodiversidade do mundo, um ativo primordial para a qualidade de vida da nossa população, assim como, entre outras, para a segurança hídrica, atividades agropecuárias e nossa resiliência a eventos climáticos extremos cada vez mais frequentes. Um ambiente equilibrado é um direito constitucional, um dever do Estado e uma condição básica para a manutenção dos serviços ambientais essenciais para a nossa vida. Sem isso não tem como haver prosperidade e qualidade de vida.

Se quiser evitar um colapso do clima, o que impactaria severamente a nossa civilização, a humanidade tem pouquíssimo tempo para revolucionar a economia, fazendo com que a sociedade troque a economia fóssil e que destrói florestas por uma sustentável e de baixo carbono. Independentemente de quem seja eleito nosso novo presidente, precisamos de líderes comprometidos com essa transformação urgente e de imenso impacto, cujas janelas de oportunidade estão se fechando.

* André Ferretti é gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e coordenador geral do Observatório do Clima.

* Carlos Rittl é membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza e secretário-executivo do Observatório do Clima. 



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.