Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O erro de Dirceu foi não ter parado antes de ficar evidente

O erro de Dirceu foi não ter parado antes de ficar evidente

14/08/2015 João Luiz Mauad

Uma das minhas diversões prediletas é descobrir incoerências irremediáveis no pensamento de esquerda.

A consistência intelectual dos caras chaga a ser patética, pois o importante mesmo são as seus valores subjetivos, gostos pessoais e idiossincrasias.

Peguem, por exemplo, o notório Juca Kfouri. Em março deste ano, o valente escreveu um libelo em defesa da sua (dele) presidenta.

À época, disse com todas as letras que o brasileiro, ou melhor, a elite branca, como ele se referiu aos adeptos do “panelaço” contra Dilma, não tinha moral para reclamar da corrupção do governo, pois compramos CDs piratas, avançamos sinais de trânsito, andamos pelo acostamento e, em algum momento, também já votamos em políticos corruptos, como Collor e Sarney.

Obviamente, tratava-se de uma enorme falácia (veja minha resposta àquele indigesto artiguinho aqui). Ninguém, de fato, é santo e todos nós, em algum momento, já avançamos sinal, andamos em velocidade maior que a permitida ou fizemos uma fezinha no jogo do bicho.

Isso, entretanto, não nos tira o direito de ficar indignados com a corrupção de proporções oceânicas perpetrada pelos últimos governos petistas. Em resumo, o fato de já termos cometido infrações menores (“quem nunca pecou, que atire a primeira pedra”, já dizia Jesus Cristo) não quer dizer que sejamos obrigados a aceitar passivamente crimes infinitamente maiores e mais daninhos, como os praticados pelo PT et caterva contra o país.

Pois bem, não é que hoje, passados apenas cinco meses daquele esdrúxulo artigo, o jornalista publica no site da Folha de São Paulo algo que, além de asqueroso, contraria tudo que ele dissera antes?

De início, até pela chamada na página principal (“Por que gente milionária quer sempre mais dinheiro?”), pensei tratar-se de mais um daqueles textos atacando a ganância dos capitalistas, e já fui preparado para ler palavras cheias de inveja e preconceito.

Qual não foi a minha surpresa quando vi que suas diatribes não eram direcionadas a Steve Jobs, Bill Gates e outros empreendedores bilionários. Esses, segundo ele, são os que fazem girar a roda do capitalismo (?).

O artigo, na verdade, é um choramingo de desilusão com seu antigo ídolo José Dirceu, recentemente preso por ordem do juiz Sérgio Moro. Depois de citar Dirceu em meio a alguns outros nomes famosos “cuja ganância levou à desgraça, se não financeira, mas moral, além até da perda do mais precioso dos bens, a liberdade”, Kfouri pergunta, com aquela inocência característica dos tolos, provavelmente (e aqui concedo-lhe o benefício da dúvida) sem se dar conta do disparate que disse: “Terá compensado? Não dava para ter parado antes de ficar evidente que os meios eram ilícitos e tornar as punições inevitáveis?”

Não, caro leitor, você não leu errado. Aquele mesmo jornalista que acusara a elite branca de não ter moral, por conta de pequenos desvios éticos, de reclamar e ficar indignado com a roubalheira petista, dá a entender agora que o grande erro de José Dirceu e outros, motivados pela ganância, foi não terem “parado antes de ficar evidente que os meios eram ilícitos e as punições inevitáveis”.

Mais adiante, ainda não satisfeito, o jornalista, embora diga que “não justifica”, nos informa, com todas as letras, que considera uma atenuante o fato de alguém corromper-se, desde que não seja para enriquecimento pessoal, mas por uma causa maior. Como diz o Constantino: um saquinho, por favor, porque estou com vontade de vomitar…

* João Luiz Mauad é administrador de empresas formado pela FGV-RJ, profissional liberal (consultor de empresas) e diretor do Instituto Liberal.



Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.