Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O esporte e os super-humanos

O esporte e os super-humanos

07/08/2016 Cristiano Parente

Ser atleta e estar envolvido na prática esportiva, contudo, vai muito além do espetáculo e do gosto pelo esporte.

Quando trabalhamos com a área de Educação Física e Esporte, sempre recebemos perguntas sobre o desempenho esportivo, treinamentos suplementos, etc.

Muitas pessoas, principalmente os jovens que gostam da competição, se entusiasmam ao ver disputas de habilidades, capacidades, táticas e emoções. O esporte é realmente encantador.

Mesmo para os que gostam apenas de admirar a beleza dos movimentos e os esforços extremos de superação, sem se envolver na prática, o esporte atrai os olhares mais distantes.

Ser atleta e estar envolvido na prática esportiva, contudo, vai muito além do espetáculo e do gosto pelo esporte. O nível competitivo envolve dedicação extrema, desapego familiar e social, foco emocional, convivência contínua com a dor e o esforço na maioria das vezes além do saudável.

Ser atleta é viver na corda bamba onde, de um lado, se tem o sucesso, com pequena chance de queda, e, do outro, o fracasso, puxando com todas as forças possíveis, já que apenas um sairá como vencedor oficialmente. Ser atleta é conviver, assim, com um turbilhão de emoções, sensações e experiências, que somente verdadeiros super-humanos podem suportar.

Chamá-los de super-humanos não é nenhum exagero. Os fora de série são a soma de uma genética absolutamente favorável com a experiência ultra precoce de contato com a modalidade de maneira positiva em termos de vivências e estímulos.

Nesta equação, também se soma o prazer e o encantamento por essa modalidade, juntamente com condições de desenvolvimento social, econômico, emocional, técnico e tático, sem deixar de citar vasta sorte de fatores externos não interferirem com força capaz de tirar o foco e o atleta de seu caminho que, ainda assim, talvez, será de sucesso somente por algum tempo.

Viver com a dor, com o risco, medo, com a pressão social e pessoal, na qual o resultado positivo significa a sobrevivência e a comida na mesa, definitivamente não é para qualquer mortal. Há um grande time de atletas reunidos do mundo todo, em busca do sucesso pessoal e de suas nações.

Vai começar o maior evento esportivo do planeta. Para muitos, a única chance na vida de participar de uma oportunidade como essa. Uma situação de absoluta pressão. Cada super-humano diante de seus familiares, amigos e compatriotas que podem ficar felizes ou tristes se você se atrasar um centésimo de segundo.

Serão mais de dois bilhões de pessoas no mundo que acompanharão sua performance, com muitos torcendo para o erro de um em detrimento do sucesso de outro. Por tudo isso, nossos atletas brasileiros pedem e merecem o nosso apoio incondicional.

O apoio de tranquilizá-los, incentivá-los, respeitá-los e realmente fazer a diferença em prol do sucesso de cada um. Sejamos as mães e pais de nossos atletas. Aqueles que vão estar sempre ao lado deles independentemente do resultado.

Estejamos prontos para dar a mão na vitória e o ombro na derrota. Tenham certeza de que todos os atletas brasileiros querem ser os heróis do país, e pensem neles como nossos filhos e irmãos.

Assim, faremos toda a diferença como anfitriões dessa linda festa que é a Olimpíada!

* Cristiano Parente é professor e coach de educação física.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa