Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O estupro e o contexto da violência

O estupro e o contexto da violência

09/06/2016 Milton Corrêa da Costa

Nenhuma condenação, por mais rigorosa que seja, ameniza as sequelas psicológicas do covarde e hediondo crime de estupro.

Conforme denúncia, ainda em processo de investigação, uma adolescente, de 16 anos, teria sido estuprada, torturada e humilhada por cerca de 30 delinquentes numa favela da Zona Oeste do Rio, tendo ainda sido gravadas em vídeo e divulgadas as cenas de tortura, covardia e sadismo.

O fato é que o Rio de Janeiro, a cidade dos Jogos Olímpicos 2016, está envolto, há mais de 20 anos, numa das mais violentas guerras urbanas que já se teve notícia na história policial, proporcionando a incômoda sensação de medo generalizado ao crime, onde qualquer um de nós, policiais ou não, podemos ser a próxima vítima, a qualquer hora, em qualquer lugar.

Tal contexto, de violência extrema, estendeu-se também, com o passar dos anos, para a Região Metropolitana, principalmente no processo migratório de traficantes para o entorno do Rio com a implantação das Unidades de Polícia Pacificadora UPPs) na capital.

Hoje, cada vez mais covardes e ousados, alguns dos meliantes retornaram para seus antigos locais de homízio onde continuam estuprando, oprimindo moradores, torturando, matando e atentando contra o aparelho policial. A análise de contexto nos leva, inclusive, a relativizar as reais possibilidades da polícia, num cenário de guerra, de terror e de desafio ao poder público, onde a demanda criminal supera nitidamente as estratégias de contenção policial.

A polícia vive enxugando gelo e apagando incêndios, num esforço hercúleo, numa atuação em condições de desvantagem tática, em terrenos acidentados de morros e favelas, locais que facilitam as ações de emboscada perpetradas por perigosos marginais da lei.

Policiais se tornam, portanto, alvos vulneráveis diante de tal teatro de operações, extremamente antagônico. A polícia tem contra si a ousadia dos criminosos, armados com possantes armas de guerra, além da frouxidão da lei penal brasileira que acaba desprotegendo a polícia e a própria sociedade.

Acresce-se ao estado de guerra a chacina em conta-gotas que ceifou, nos últimos vinte anos, a vida de cerca de 1.500 policiais militares no estado, sem falar nos que resultaram gravemente feridos, alguns adquirindo invalidez permanente.

Registre-se ainda, que no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, cerca de 12 pessoas são estupradas diariamente. Não há, portanto, paz no Rio e em seu entorno. Há sim medo concreto de ser a próxima vítima. Pior, essa guerra é de caráter permanente e sem aparente solução.

As armas continuando chegando em mãos de perigosos delinquentes em morros e favelas reforçando os arsenais do tráfico. Sem uma lei dura, um sistema penitenciário que deixe de ser universidade do crime e a invasão social das comunidades menos favorecidas, não há prazo para barbárie e o estado de apreensão terminarem.

Finalmente, recomenda-se ao Congresso Nacional, a emenda constitucional que possa implantar no Brasil a pena de prisão perpétua para estupradores. Nenhuma condenação, por mais rigorosa que seja, ameniza as sequelas psicológicas do covarde e hediondo crime de estupro.

* Milton Corrêa da Costa é tenente coronel reformado da PM do Rio.



O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.