Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O fenômeno multimídia Barack Obama

O fenômeno multimídia Barack Obama

16/12/2008 Divulgação

Além de quebrar alguns paradigmas norte-americanos históricos, a eleição de Barack Obama à Presidência dos Estados Unidos foi uma espécie de divisor de águas em relação à utilização e eficiência das novas mídias em campanhas políticas.

Obama foi, definitivamente, o primeiro presidente eleito com a chancela de fenômeno político na Internet. Seu exemplo deverá ser seguido por qualquer candidato que dispute qualquer pleito em qualquer lugar do mundo, desde que ele queira realmente brigar pelo cargo pretendido. O desempenho de Obama junto aos eleitores através da rede mundial de computadores não deve ser analisado linearmente, ou seja, não é possível avaliar a Internet como um único meio de comunicação, tal como a televisão, o rádio ou a mídia impressa. A Internet, na verdade, é um núcleo de convergência de mídias. Nela, a mensagem se apresenta em diversos formatos - vídeo, áudio, texto, infográficos, etc - assim como dentro de canais de televisão e de rádio que hoje habitam o ambiente virtual e ampliam seu alcance pelo mundo. Os números de Barack Obama na Internet impressionam.

Só no seu canal oficial no Youtube (http://www.youtube.com/profile?user=BarackObamadotcom) os vídeos já foram exibidos cerca de 20 milhões de vezes. Até o dia 18 de novembro eram mais de 141.000 pessoas inscritas. Também há um outro canal no Youtube (http://www.youtube.com/ObamaSongs) com quase 1.300 músicas em sua homenagem e mais de 12 mil vídeos (também para Obama) assistidos. O presidente eleito dos Estados Unidos também é uma das estrelas no "My Space" (http://www.myspace.com/barackobama), com mais de 955 mil amigos. A aposta na Internet foi tão grande que Obama criou sua própria rede: a "My Barack Obama" (http://my.barackobama.com). A partir daí Obama tornou-se um fenômeno político da Internet. Sua vitória sobre Hilary Clinton, nas prévias do partido Democrata já foi apoiada em alternativas de mídia. Boa parte dos mais de US$ 600 milhões arrecadados em doações para campanha veio de indivíduos através da web.

Ele - como parte da elite pensante norte-americana - e sua equipe deixaram claro que não há mais campanhas políticas sem o apelo, o apoio e a utilização estratégica da Internet. No Brasil não foi diferente. No segundo turno das eleições municipais ficou patente a força da Internet. Por pouco ela deixou de ser uma das principais responsáveis por uma eventual vitória de Fernando Gabeira no Rio de Janeiro. O ex-guerrilheiro e deputado federal criou impacto com seu web site que, através de elementos cativantes e transparentes, deixava o eleitor preso nas paginas virtuais por um bom tempo. Detalhe, por exemplo, para as informações sobre a origem do dinheiro de campanha e para a trilha sonora que mesclou Paula Toller e Adriana Calcanhoto, entre outros. Há, inclusive, um ingrediente motivador para o eleitor ir ao encontro das campanhas políticas na Internet: a sua participação como elemento ativo no processo.

Nas campanhas tradicionais, com o uso de mídias convencionais, o eleitor era um elemento passivo. Bombardeado seguidamente com informações (muitas das vezes equivocadas, desrespeitosas e apeladoras) ele não contava com um canal direto para opinar ou retrucar. Com a ida da campanha para a Internet, o processo ganhou em interatividade e o eleitor passou a ser um elemento ativo no processo, contribuindo com críticas, sugestões, intervenções e até mesmo na criação de apelos vitoriosos em um processo eleitoral. E com um detalhe: na web a sua intervenção é espontânea. A partir deste ano de 2008 a Internet finalmente desnudou a política, assim como já estava fazendo com empresas e produtos. Conhece-se a competência pela informação comprovada. Anteriormente, o cidadão era apenas vítima de rótulos que a mídia convencional ajudava a propagar a partir da criação de alguns experts. Hoje, as alternativas para feed-back e a interatividade das novas mídias minimizaram este problema. Pelo bem da comunicação e para o bem da sociedade.

*Wilson Bento é empresário, sócio-proprietário da Master Case Digital Business em Campo Grande/MS: [email protected] - (67) 3326-2100.



Aviso e anúncios nas redes sociais

Ao abrir, hoje, a minha rede social para ver as publicações de meus amigos, deparei, varado, com aviso, informando-me que certa matéria, colocada por mim, era parcialmente falsa.


Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.