Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O futuro do ensino jurídico

O futuro do ensino jurídico

03/09/2011 Divulgação

Para que o conhecimento possa existir é necessário um ser dotado de inteligência que deseje e seja capaz de projetar sua mente sobre objetos que são diferentes dela.

Ou seja, para algo significar para o indivíduo humano é necessário que ele seja impactado por um fenômeno, para que a informação possa ser processada e possibilite, através da sua inteligência, a expressão do significado da coisa. Com essa concepção, observa-se que o ente congnoscente não é composto somente pelo ser humano, mas por toda a sociedade que fornece a esse as ferramentas necessárias ao conhecimento. Nessa perspectiva, apesar de ser o indivíduo que apreende as informações que são colocadas para ele, é a sociedade que irá dispor aos seus membros (indivíduos em massa) os valores, idéias, princípios e regras que dão sentindo a sua própria existência. Assim, ter conhecimento é acima de tudo um ato de reflexão. Refletir sobre alguma coisa não encontra suficiente conceituação no mero ato do pensar e agir.

A reflexão atinge uma camada mais profunda. É com a reflexão que se pode desenvolver raciocínio crítico sobre determinado assunto, que formará o efetivo conhecimento sobre o objeto. O ato de reflexão é fundamental para o estudante de direito. É com a reflexão que a pessoa pode conhecer profundamente determinado assunto e atingir um raciocínio crítico. O estudante que ao iniciar seus estudos nas bancadas de Direito, via de regra, tem sua curiosidade aguçada, chegando a assumir posições críticas e transformadoras da realidade. Contudo, ao longo do seu curso começa a perder o brilho nos seus olhos, vendo desaparecer os sonhos que o impulsionavam no início dos seus estudos, substituindo-os por desejos efêmeros e de curto prazo. A que se deve essa perda valorativa acerca desse estudo, e mais especificamente, do próprio Direito? A inevitável constatação diz respeito ao ensino jurídico repassado em de sala de aula e o seu confronto com a nova geração de estudantes de Direito.

O ensino jurídico no Brasil, ao longo da sua história, sempre adotou postura meramente expositiva, onde o professor é tido como autoridade máxima, senhor do conhecimento, e o aluno mero receptor daquilo que lhe é repassado. Esse modelo de ensino leva a práticas repetitivas e monótonas, “elevando” o discurso do professor ao patamar de verdadeiro dogma. Essa prática conduz ao entendimento de uma realidade linear e não transformadora, que deveras vezes ocasionará ao estudante sentimento de repulsa e mecanização. O que proporciona a perda do encanto no decorrer do curso. O ensino jurídico não pode ser alheio a nova realidade da sociedade. Porém, ingressar em uma sala de aula hoje, mais parece um retorno ao passado. A aprendizagem autêntica é a que desconstrói e reconstrói constantemente seus limites. Não existe um modelo correto. O que importa é que o ensino seja de qualidade e que o estudante tenha as chances e ferramentas para melhor desenvolver sua formação profissional.

O futuro do ensino jurídico está na compreensão de que o valor do ensino, não no discurso de autoridade ou na inflexibilidade. O futuro do ensino jurídico reside na qualidade de adaptação aos novos desafios e tendências que são apresentadas, tornando o ensino agradável, interessante e estimulante. O professor não deve enxergar essas mudanças como algo ruim, mas como uma oportunidade de se inovar e fazer do ensino uma atividade pulsante e qualitativa para o estudante. E, assim, quem ganha é o Direito brasileiro.

João Rafael Furtado* é sócio do Furtado, Pragmácio Filho e Advogados Associados, Diretor Jurídico Executivo da Confederação Nacional dos Jovens Empresários e mestrando em Direito Constitucional das Relações Privadas.



O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.