Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O governo faz mal à economia

O governo faz mal à economia

04/10/2014 Fábio Ostermann

Causou grande polêmica recentemente um informe do Banco Santander enviado a seus clientes.

O governo, o PT e a presidente-candidata não gostaram nenhum pouco da análise nele veiculada, mas o fato é que ele trouxe uma versão resumida de fatos concretos e objetivos da realidade brasileira que hoje influenciam as flutuações do mercado. Não se trata de uma questão de mera opinião, e nem muito menos de “terrorismo econômico”: a valorização de ativos está diretamente relacionada a suas expectativas de valor futuro.

O atual governo tem posto em prática uma política econômica comprovadamente equivocada, que parece movida por um pensamento mágico de que se pode convencer o mercado na marra – por meio de propaganda e pressão política. Ledo engano. Warren Buffet, guru do mercado financeiro internacional, tem uma máxima que parece se adequar perfeitamente à recente trajetória da economia brasileira: “somente quando a maré baixa é que sabemos quem estava nadando nu”.

Após um breve período de crescimento econômico, catapultado pela ascensão chinesa e pelo “concurso de feiura” que se tornou o mercado internacional no cenário logo após a Crise de 2008, as perspectivas de estagnação econômica são uma realidade. Estamos presos a uma perigosa dinâmica de inflação crescente somada a um crescimento econômico pífio.

O analista do Santander (demitido após pressão do governo) apenas fez o que se espera de um profissional encarregado de aconselhar clientes sobre as melhores formas de investir seu dinheiro, eximindo-se de tecer críticas aos rumos da economia brasileira. Estaria sendo negligente e irresponsável se ignorasse o atoleiro econômico em que se encontra o Brasil. A visão apresentada pelo informe pode até desagradar ao governo e suas pretensões eleitorais, mas é praticamente unânime entre analistas de mercado, investidores e imprensa especializada: a gestão Rousseff/Mantega faz mal à economia brasileira.

* Fábio Ostermann é Diretor do Instituto Liberal.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.