Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O impacto da IoT na Engenharia de Produção

O impacto da IoT na Engenharia de Produção

15/10/2020 Jorge Kawamura e Marcelo Marques Gomes

Desde a apresentação do conceito da Indústria 4.0 em 2011 na feira de Hannover, houve grande aceleração tecnológica em diversas áreas do conhecimento.

Ferramentas como IoT (Internet of Things, ou Internet das Coisas), segurança da informação, computação na nuvem, sistemas integrados, big data, realidade aumentada, robôs autônomos, simulações e manufatura aditiva, que são considerados os pilares da Indústria 4.0, foram surgindo no mercado.

Uma das áreas em ascensão foi a área de sensores e atuadores ligados a microcontroladores com comunicação sem fio (configuração básica para ser denominado como IoT ou IIoT - Industrial Internet of Things).

No entanto, somente os dispositivos de IoT não conseguem prover ou gerar informações relevantes.

É necessário um sistema integrado ao IoT para que os dados coletados sejam traduzidos em informações relevantes gerando assim indicadores de desempenho para adequada tomada de decisão.

Alguns sistemas ou plataformas que fazem a integração mencionada são Azure IoT, AWS IoT, Google Cloud IoT, Thing Speak, ThingWorx, ThingerIO, entre outros.

Essas plataformas voltadas para IoT podem oferecer recursos que possibilitam o controle da linha de produção (supervisórios) e criação de dashboards para visualizações de diversas informações simultâneas, consolidadas em uma única tela. 

Apesar de existirem dispositivos, plataformas e ferramentas de visualização de dados para IoT, esses recursos podem, se não forem bem utilizados, gerar resultados irrelevantes ou sem valor na linha de produção na qual foram implantados.

Por essa razão, o Engenheiro de Produção tem papel fundamental no estudo, planejamento, monitoramento e aperfeiçoamento da linha.

Com a melhoria contínua de processos aliada à utilização de novas tecnologias, é natural que haja incrementos na produtividade de setores competitivos e aumento geral na qualidade dos produtos.

Outras aplicações da IoT, fora dos domínios da Indústria, têm surgido a cada dia. Aplicações no Agronegócio, na área de Saúde, em cidades, residências, e veículos inteligentes e no comércio varejista aproximam cada vez mais o consumidor dessa tecnologia.

Se por um lado, a aplicação dos conceitos de IoT aumentam produtividade da manufatura e qualidade dos bens gerados, por outro lado ajuda a entender melhor o comportamento do consumidor, possibilitando a criação de novas estratégias de vendas, permitindo ganhos também no que se refere a serviços.

Pesquisa conduzida por Opinium, em junho de 2017, apontou que 81% dos consumidores brasileiros afirmam que se sentem confortáveis e estão preparados para utilizarem dispositivos conectados para realizar suas compras e, desses consumidores, aproximadamente a metade não faz questão de aprovar explicitamente a compra recomendada pelo dispositivo, ou seja, confiam na tecnologia.

Assim sendo, se avaliarmos o passado recente, IoT era um assunto para futuro distante do mercado e do consumidor final, hoje é o presente e entendemos não se tratar de uma tendência ou modismo, é uma tecnologia que veio para ficar.

* Jorge Kawamura é graduado em Telecomunicações pelo Instituto Mauá de Tecnologia e professor do Instituto Mauá de Tecnologia.

* Marcelo Marques Gomes é graduado em Engenharia Elétrica pelo Instituto Mauá de Tecnologia e mestrado em Engenharia Elétrica e Computação pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

Fonte: RPMA Comunicação



Startups ampliam o mercado de trabalho jurídico

Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), temos atualmente no Brasil 12.700 dessas empresas, número 20 vezes superior se compararmos com 2011, quando eram contabilizadas 600.


Aprendizados durante a pandemia e a importância da inovação para o mercado

O momento atual tem sido de muito aprendizado para todos.


Eca 30 anos: o que mudou nas nossas vidas?

No bojo da redemocratização do país nas décadas de 1980, 1990, muitas mudanças ocorreram para a melhoria da sociedade que vivemos.


Como músico, advogado e padre, saíram de boa

Quando, em 1945, os americanos ocuparam Garmish, um jeep, cheio de soldados, estacionou, à porta da casa de Richard Strauss.


Queremos mesmo extinguir o dinheiro?

Com o aumento do uso de meios de pagamentos digitais, não raras vezes se ouve no debate público a afirmação de que, no futuro, o ideal seria extinguir o dinheiro em espécie.


Assalto a banco, prisão perpétua e pena de morte

O país volta a ser sacudido pelos ataques de grupos armados a agências bancárias, transportadoras de valores, carros-fortes e outros lugares onde são armazenadas elevadas somas em dinheiro.


Empresas existem para cuidar das suas comunidades

Certa vez, me pediram para dar aula de Teoria Geral da Administração para uma turma de 1º ano de graduação.


Como fazer o planejamento financeiro pós-pandemia e para 2021

O planejamento financeiro tornou-se fundamental no mundo pós-pandemia.


Pandemia, juros baixos e a retomada do setor imobiliário

Assim como em outros setores, entre a segunda quinzena de março e o fim de maio, ocorreu um bloqueio total do mercado imobiliário por conta do desconhecimento da pandemia.


Feliz Dia do Síndico

Em comemoração ao Dia do Síndico, este artigo de opinião procura estimular uma profunda reflexão sobre o verdadeiro papel do síndico e do próprio comportamento na figura do representante do condomínio junto à sociedade.


A saúde mental dos seus colaboradores pede atenção

O ano de 2020 foi muito conturbado, com diversos acontecimentos.


A diferença entre o artista e o empresário

Em primeiro lugar, deixe-me esclarecer: quando se fala em artista no mundo dos negócios, se fala no profissional ou técnico que tem determinado conhecimento específico ou habilidade.