Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O infanticídio de meninas na China e o silêncio das feministas

O infanticídio de meninas na China e o silêncio das feministas

10/11/2015 João Luiz Mauad

A boa notícia do dia foi que a China pôs fim à “política de filho-único”, em vigor no país há quase 40 anos.

A partir de agora, os casais estão autorizados a ter até dois filhos. Não é nada, não é nada, já é um grande avanço, principalmente para as meninas.

Poucas tiranias são tão ou mais nojentas do que proibir indivíduos de terem quantos filhos desejarem. Tal política atenta contra os mais comezinhos direitos humanos, mais especificamente contra a liberdade individual.

Além de, quando realizada em larga escala, produzir efeitos sociais terríveis. Apesar disso, as chamadas políticas de planejamento familiar compulsórias sempre foram defendidas com vigor pelos socialistas, planejadores centrais empedernidos por natureza.

A “política de filho-único” determinada pelo Partido Comunista Chinês foi implementada a partir de 1979, sob pena de altas multas e, até mesmo, perda de emprego, entre outras sanções, para não falar da burocracia necessária para obter a autorização estatal.

Aos olhos das autoridades chinesas, o direito de reprodução é efetivamente um privilégio concedido pelo Estado, cujo exercício está condicionado ao cumprimento de certos deveres para com o governo e seus agentes.

Numa sociedade com os costumes patriarcais arraigados, como na China, geralmente é a mulher a responsável legal pelo controle de natalidade familiar, sendo contra ela também aplicadas as sanções previstas.

Mas este não foi, nem de longe, o maior dano impingido contra as mulheres pela famigerada política. Como os meninos são culturalmente preferíveis, a prática do infanticídio feminino tornou-se endêmica em algumas áreas do país, desde que a referida política entrou em vigor.

O desequilíbrio de gênero resultante, entretanto, ficou mais acentuado depois de 1986, quando testes de ultra-som tornaram-se mais fáceis de realizar e provocaram abortos em massa de fetos femininos. A coisa tomou tal dimensão que, em 1994, o governo proibiu os médicos de divulgarem o sexo dos bebês durante o pré-natal.

No total, estima-se que os chineses realizaram mais de 336 milhões de abortos, desde então. Além disso, os funcionários médicos chineses esterilizaram quase 200 milhões de pessoas, a maioria mulheres, desde que a política foi implantada.

Esses mesmos agentes também inseriram mais de 400 milhões de dispositivos intra-uterinos (DIU) em mulheres jovens, muitas vezes pela força. Em resumo, o infanticídio de meninas, o aborto de fetos femininos e os constantes abusos contra as mulheres chinesas são uma constante há, pelo menos, 35 anos na China.

Malgrado tudo isso, foram muito poucas as vozes feministas que se levantaram contra esse verdadeiro genocídio, a exemplo, aliás, do que também ocorre em relação aos freqüentes abusos contra as mulheres nos países islâmicos. Por que será? Minha suspeita é que a causa feminista, muito além dos direitos das mulheres que alega defender, transborda ideologia para todos os lados.

* João Luiz Mauad é administrador de empresas formado pela FGV-RJ, profissional liberal (consultor de empresas) e diretor do Instituto Liberal.



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.