Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O inferno antes da morte

O inferno antes da morte

20/10/2008 Sylvia Romano

Uma das coisas que mais me incomoda é o descaso brasileiro com a questão da velhice. Nossos asilos viraram depósitos de idosos, sem conforto nem assistência adequada, onde uma grande parcela de moradores só está ali à espera da morte.

Já aqueles que continuam junto às suas famílias — a maioria ranzinza, como praticamente todas as pessoas de idade —, continuam infernizando a vida dos seus próximos, com necessidades afetivas, físicas e tudo aquilo que a velhice demanda. A vida moderna exige que todos trabalhem. No entanto, se a maior parte das famílias teve poucos filhos, quem agora irá cuidar dos seus velhos? Outro grande problema, a meu ver o maior, é a questão financeira desta população. A maior parte trabalhou e trabalhou muito acreditando que o seu último período de existência seria prazeroso e profícuo, sem a preocupação com o vil metal, pois este estaria garantido pela merecida aposentadoria.

Foram todos enganados e “tungados” pelo governo que, a seu bel prazer, roubou o que era de direito desses trabalhadores, implantando cálculos “atuariais” levando em conta a expectativa de vida dos beneficiários e apoderando-se, ano a ano, de seus minguados proveitos, a partir da década de 80. Se este mesmo governo providenciasse, pelo menos, a garantia da saúde, o que todos sabemos que não ocorre, já estaria ajudando e muito, pois só com planos de saúde e remédios, esses idosos já comprometem praticamente todos os seus recebimentos. Muitos deles, principalmente das classes menos favorecidas, ainda tem de contribuir com o sustento da família, em razão do alto grau de desemprego do País e da falta de qualificação de seus descendentes.

O Brasil conta hoje com oito milhões de aposentados e, há quase duas décadas, esta imensa parcela da população vê seus ganhos diminuírem e suas despesas aumentarem, pois desde então, a correção dos salários dos aposentados foi desvinculada do salário mínimo e, portanto, eles deixaram de ter correção pela inflação. Cálculos da Federação das Associações de Aposentados e Pensionistas do Estado de São Paulo (FAPESP) estimam que a perda destes aposentados entre 1991 e 2008 foi de 60%. E qual seria a solução desta grande questão que, mais cedo ou mais tarde, atingirá todos nós? A meu ver, algumas medidas emergenciais deveriam ser implantadas. A primeira seria o governo honrar o que foi pactuado no passado equiparando o reajuste das aposentarias aos cálculos da inflação, repondo as perdas desde 1991.

Em segundo lugar, criar mecanismos legais, que incentivassem doações a entidades de apoio a idosos, doações estas que pudessem vir a ser abatidas dos inúmeros impostos que temos. E, por fim, começar a criar campanhas para conscientizar a população de que a velhice pode e deve ser independente, criando-se programas de convívio para a terceira idade como cursos, viagens e, principalmente, hospedagem em casas e instituições dignas e confortáveis, bem diferente da maioria dos asilos que conhecemos hoje. Tenho certeza que se algo não for feito rapidamente, o problema da velhice só tende a aumentar e, em breve, teremos um grande contingente de velhos mendigos, abandonados, dependentes e infelizes, encontrando no fim de suas vidas, cada um a seu modo, o inferno antes da morte.

* Sylvia Romano é advogada trabalhista, responsável pelo Sylvia Romano Consultores Associados, em São Paulo. E-mail: [email protected] .



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?