Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O julgamento que pode desmoralizar o Supremo Tribunal Federal

O julgamento que pode desmoralizar o Supremo Tribunal Federal

21/10/2019 Julio César Cardoso

Não pode o STF cair em descrédito, apequenando o tribunal, caso venha a mudar entendimento já pacificado.

Com perplexidade e indignação assistimos, em 17/10/2019, ao início do julgamento no STF de três ações que discutem a legalidade da prisão em segunda instância, cuja matéria já havia sido esgotada e definida pelo próprio tribunal, em 2016.

Mas quando está em jogo interesse latente de figura política da República, condenada e presa, pois se se tratasse de algum zé-ninguém, a Corte decerto jamais se importaria, aí os pseudomoralistas e justiceiros do STF, com a ressalva de que não são todos, resolvem rever, em tão pouco tempo, as suas próprias decisões, transformando o tribunal em órgão de pouca seriedade.

Ao iniciar o julgamento, o relator, ministro Marco Aurélio, do alto de sua soberba verborreia jurídica empolada, leu o seu relatório desfavorável à condenação em segunda instância, como já se esperava.

E, em seguida, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, amigo do rei nu e preso, convidou os “amicus curiae” – amigos da Corte – a fazer considerações sobre as referidas ações.

O que se viu no julgamento foi a fina flor de operadores do Direito defenderem seus clientes para que seja mantido um sistema jurídico ultrapassado, que permite que a impunidade duradoura de criminosos e políticos corruptos continue ao amparo do guarda-chuva da chicana recursal de habilidosos e bem remunerados advogados contratados.

Ora, o nosso ordenamento jurídico precisa se atualizar diante de procedimentos positivos adotados em outros países, como Alemanha, Argentina, Canadá, Espanha, EUA, Inglaterra etc. Na ONU, 193 dos 194 países filiados têm prisão em primeira e segunda instância.

Por outro lado, a prisão em segunda instância não fere o princípio da presunção de inocência porque o preso não perde o direito de continuar a se defender. A consequência positiva é não favorecer a impunidade duradoura.

Assim, não pode o STF cair em descrédito, apequenando o tribunal, caso venha a mudar entendimento já pacificado, o que representará uma imagem negativa da Corte no cenário internacional, bem como estabelecerá um clima de insegurança jurídica, contribuirá para desacelerar o combate à corrupção e favorecerá a impunidade.

* Júlio César Cardoso é servidor federal aposentado.

Fonte: Júlio César Cardoso



O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.


Férias: como ficam as crianças de pais separados?

Com o fim de um relacionamento (casamento ou união estável), quando há filhos, os pais buscam constantemente dividir o tempo de convivência com as crianças, pensando no bem-estar delas.


Vaidade ou necessidade?

A cada passo lemos, nos jornais, que tal figura pública ou conhecido político, teve que corrigir o currículo, porque incluiu habilitações, que não possuía.