Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O lavrador, e o filho Doutor

O lavrador, e o filho Doutor

08/07/2019 Humberto Pinho da Silva

Quando era moço, muitas vezes ouvi contar a velha história ou anedota, do transmontano, que mandara o filho, estudar, para Coimbra.

Andava, o homem, radiante. Inchado como pavão, e sempre que botava “faladura”, dizia, com a boca cheia de risos: - “Meu filho estuda em Coimbra, para doutor! …”

Mensalmente, sem falta, mandava-lhe a mesada, e este, também, mensalmente, respondia-lhe contando aventuras coimbrãs.

Certa tarde, após o almoço, estando no soto, a jogar a bisca, com amigos, ergueu o grosso copo de vidro, cheio de vinho carrascão, e disse de semblante sombrio:

- “Estou preocupadíssimo…Meu filho, doutor, deve estar doente…Há meses que não recebo notícias, apesar de lhe enviar sempre a mesada! …”

Um dos amigos, mais astuto, que ouvira suas falas, imediatamente o aconselhou:

- “Queres saber novas do rapaz?! É fácil: escreve-lhe, dizendo: junto seguem cem escudos, para despesas extraordinárias; mas, ‘esquece’ de os incluir…Verás que a resposta não demorará…”

E assim foi. Em breve chegou missiva afetuosa, esclarecendo, que a nota não chegara…

Ao recordar a história do agricultor, sempre me lembro dos amigos, que ao longo da vida, fui conhecendo.

Nunca têm tempo para me telefonar; mas, quando precisam de alguma coisa, em que lhes posso ser-lhes útil, logo ligam, pedindo isto e aquilo.

Outrora ficava triste, com a ingratidão, mormente, quando recebido o favor, acrescentavam: - “Qualquer dia havemos de tomar café juntos…” Dia, que ficava para as calendas gregas…

Antigamente, a ingratidão, perturbava-me; agora, é motivo de alegria. Digo: alegria, porque é sinal que se encontram bem, e que não precisam de mim, para nada.

Habituei-me á ingratidão e à indiferença; mas, lembro com tristeza: se viesse, porventura, a precisar, poderia contar, com eles?…

É dúvida que me fica a bailar na mente, cuja resposta não quero conhecer: é sinal, que também, não preciso deles, para nada…

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.