Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O líder precisa ser um bom comunicador?

O líder precisa ser um bom comunicador?

03/12/2018 Marcelo Tertuliano

Só há comunicação efetiva quando o receptor compreende exatamente o que o emissor quis dizer.

Este ano, recebi a missão de liderar um grande projeto de reestruturação de processos para a empresa que trabalho. Somente na minha área, o grupo era composto por mais de 200 pessoas de dois países, sediadas em cinco cidades distintas e com culturas igualmente diversas. Imaginem o desafio que foi adotar uma comunicação uniforme em meio a tantas diferenças.

Num determinado momento, comecei a receber mensagens de algumas pessoas da equipe que se diziam pouco confortáveis na operação. O motivo? Não conseguiram entender, com clareza, os objetivos a serem alcançados e o que cada um precisava fazer. Eram um indício de que a comunicação precisava ser revista.

Após uma reflexão, decidi promover um workshop com os gerentes, supervisores e líderes de área. Neste encontro, conversamos sobre o projeto, o momento da empresa e a ansiedade que um projeto de grande porte e importância gera nas pessoas que têm a responsabilidade de conduzi-lo. Aparamos arestas e muitos esclarecimentos foram feitos.

No dia seguinte, recebi uma outra mensagem de um dos profissionais que participaram do projeto. Ela dizia assim: “O workshop tocou minha mente e meu coração. Obrigado por ser uma pessoa que inspira pessoas”.

Não é preciso dizer o quanto este feedback foi importante para mim. Ele me mostrou algo que eu sempre procuro fazer – e que, na verdade, todo líder deve fazer: saber ouvir. Nem sempre é fácil, porque um feedback pode expor nossas fragilidades. Mas o líder que quer inspirar, ser referência, e estar à frente de equipes de alta performance precisa adotar esta prática.

Só ouvindo o outro é que um líder pode adotar uma comunicação que esteja em consonância com a linguagem do seu time. E só há comunicação efetiva quando o receptor compreende exatamente o que o emissor quis dizer. O líder precisa ser um bom comunicador. Não ser um ditador de regras ou mesmo impostar a voz para impressionar. Pode – e deve – ser polido, estar aberto a conversas. Ser acessível.

Mais ainda: só ouvindo o outro é que o líder conquista a confiança dos liderados. Se um colaborador confia no seu líder, tudo o que ele fala tem um efeito tremendo! Inspira, motiva e, quando aponta a direção, a equipe caminha unida exatamente para onde deve ir, sem perder o foco nos resultados a serem obtidos. Se houver desvio da rota - o que pode acontecer, obviamente - é muito mais fácil corrigir.

O líder precisa estimular a comunicação entre os liderados também. Convidá-los a se sentar mais próximos uns dos outros. Sugerir que evitem trocar e-mails desnecessários e excessivos e se levantem para conversar, tirar dúvidas e trocar ideias.

Não tenho a menor dúvida, especialmente no meu ramo de mineração, que formação acadêmica, conhecimento técnico e experiência são indispensáveis para que a organização obtenha lucro e destaque. Mas acredito, da mesma forma, que as pessoas – especialmente os líderes transformadores – fazem a diferença com seu jeito de se comunicar e mobilizar os liderados. Eles podem levar um time a dar um passo a mais, a ter uma performance diferenciada. E, em muitos casos, pode ser esta a tão desejada “receita do sucesso”.

* Marcelo Tertuliano é mestre em Administração de Empresas, com 23 anos de experiência na função financeira, dos quais, 16 anos em posições de liderança.

Fonte: Em Pauta Comunicação



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.