Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O maior erro que você pode cometer quando quer investir

O maior erro que você pode cometer quando quer investir

31/07/2016 Carolina Ruhman Sandler

Escolher uma aplicação financeira parece uma missão impossível.

Recebo sempre depoimentos e dúvidas de leitoras, todos sempre com a mesma questão: quero aprender a investir, mas não sei qual investimento escolher.

E enquanto não escolhem, o dinheiro fica ali parado na conta corrente – e perdendo para a inflação. Escolher uma aplicação financeira parece uma missão impossível.

São diversos tipos diferentes, cada um com suas especificidades, taxas e cobranças. CDB, LCI, Tesouro Direto – parece uma sopa de letras.

Para complicar, na hora que você opta por um, descobre que existem dezenas de opções diferentes. No CDB, por exemplo, você precisa definir se quer um pré ou pós-fixado.

No Tesouro Direto é pior ainda: você precisa escolher qual tipo de título (indexado ao IPCA ou à taxa Selic?), com vários vencimentos possíveis e ainda com a possibilidade de ter ou não pagamento de juros semestrais.

Então o que fazer? O correto é estudar as opções, entender qual se adequa mais ao seu perfil e tomar logo uma decisão. Mas com tantas e tantas opções e alternativas diferentes, é muito fácil deixar sempre esta tarefa para depois.

Quando isso acontece, no entanto, você virou vítima de um fenômeno chamado cegueira informacional. É como quando você abre o cardápio enorme de um restaurante e fica completamente zonza, sem saber se pede uma salada, uma massa ou uma carne.

Como escolher a melhor opção? O problema é que no restaurante você é forçada (pela fome ou pelo garçom!) a pedir logo um prato. Já o seu dinheiro não te pergunta se você já está pronta para aplicar o seu dinheiro ou se precisa de mais 5 minutinhos para escolher.

A cegueira informacional acontece quando você se sente tão atolada com a multiplicidade de opções existentes que acaba deixando a decisão para depois. Como seria bom se só existissem duas ou três opções diferentes de investimento, não? Escolher seria muito mais fácil neste caso.

Não tomar uma decisão na hora parece não ter nenhum problema – você deixa para olhar aquele material à noite ou no fim de semana. Só que com a procrastinação, o depois acaba virando nunca – e este é justamente o maior erro que você pode cometer quando quer investir o seu dinheiro.

A diferença de rendimento entre um CDB ou um título do Tesouro Direto é sempre marginal quando comparada com a opção de deixar o dinheiro parado na conta corrente. Com a inflação alta que vivemos atualmente, perdemos poder de compra muito rapidamente.

A inflação é uma vilã invisível: você não sente os efeitos dela no curto prazo, mas ainda assim ela corrói o seu poder de compra. Se o seu dinheiro não está aplicado, você o perde e não percebe. Por isso, chega de procrastinação! Para te ajudar a investir bem o seu dinheiro, você só precisa ficar atenta aos seguintes pontos:

- A liquidez da aplicação – isso representa em quanto tempo você pode ter o dinheiro de volta na sua conta se precisar dele. Evite então investir todo o seu dinheiro em uma aplicação de liquidez baixa, pois você pode não conseguir resgatar o dinheiro se precisar com urgência.

- As taxas e impostos cobrados – alguns investimentos não têm cobrança de IR, outros têm. Alguns não têm taxa de administração, outros sim. Verifique sempre os custos da aplicação.

- O perfil de risco – investir em ações é bem mais arriscado do que comprar um título do Tesouro Direto, por exemplo.

- O prazo do investimento – previdência privada, por exemplo, é para o longo prazo, e se você resgatar antes da hora pode ter uma cobrança altíssima de IR.

De olho nestes fatores, escolha uma aplicação e comece agora. Se deixar para depois, a inflação pode acabar destruindo o seu poder de compra sem você se dar conta.

* Carolina Ruhman Sandler é Fundadora do site Finanças Femininas.
 



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa