Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O malefício dos maus livros

O malefício dos maus livros

01/09/2021 Humberto Pinho da Silva

A responsabilidade de quem escreve é incomensurável.

O livro, assim como o filme, pode mudar – e muitas vezes altera, – completamente o modo de pensar, e até o carácter de quem o lê ou assiste.

Karl R. Popper, a 26 de Maio de 1981, na Universidade de Tubingen, revelou:

"(…) Nós, os intelectuais, desde há milénios que vimos causando os mais terríveis danos. Os massacres em nome de uma ideia, de uma doutrina, de uma teoria – são obra nossa, são uma invenção nossa, uma invenção de intelectuais. Basta que deixássemos de atiçar os homens uns contra os outros – às vezes com as melhores intenções – e já seria muito." – " Em Busca de Um Mundo Melhor" – Editora Fragmentos.

A primordial missão do escritor e do cineasta, deveria ser: espalhar harmonia e concórdia, entre os povos, e não atiçar discórdia, guerra, ódio e devassidão.

Quem escreve, apenas para alcançar notoriedade, recorre, muitas vezes, a cenas asquerosas de alcova ou torna-se revolucionário ou "político": contra tudo, contra todos.

Segundo Beltrand Russel, os escritores são infelizes: "Não têm oportunidade de exercer livremente os seus talentos, e serem obrigados a pôr-se ao serviço de ricas corporações, dirigidas por filisteus, que obrigam a escrever o que eles muitas vezes consideram disparates perniciosos." - "A Conquista da Felicidade."

Os escritores e jornalistas, raras vezes são independentes, dependem dos editores ou da administração do periódico. O resultado são obras, verdadeiras cloacas, e violentas verrinas à Moral e à Igreja.

Para vender livros, recorre-se a tudo que delapida a base da civilização cristã: textos, imagens, discrições lânguidas.

Esquecem-se – será que se esquecem? - os malefícios que causam à juventude – e não só, - ao apresentarem relações perniciosas e diabólicas.

Se a sociedade abandona os princípios, que enobreceram – em passado recente – nossos avoengos, em parte, deve-se à literatura, exposta, sem pejo, nos escaparates do livreiro.

Outrora, também se escrevia obras abomináveis, mas o acesso era restrito, o que não acontece atualmente.

Em suma: se a sociedade é boa ou má, violenta ou pacífica, deve-se, quase inteiramente, à mass-media e aos fazedores de opinião – escritores e jornalistas.

* Humberto Pinho da Silva

Para mais informações sobre literatura clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.