Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O médico e o governador

O médico e o governador

17/12/2008 Dirceu Cardoso Gonçalves

O diálogo entre o dermatologista Davi de Lacerda e o governador José Serra – que teria aconselhado o médico a deixar o emprego no Hospital das Clínicas de São Paulo, onde seu salário base é de R$ 414 mensais, podendo chegar a R$ 1,5 mil com as gratificações – é a prova do pouco caso com que as autoridades tratam a saúde neste país. Mesmo carregando no seu currículo uma festejada passagem pelo Ministério da Saúde, o inquilino do Palácio dos Bandeirantes não consegue esquecer sua fria predileção por números e a do seu partido pela política do achatamento salarial do funcionalismo.

Se o dr. Lacerda  - experimentado médico com especializações no exterior - seguir o conselho do governador, perdem o Hospital das Clínicas e principalmente a população que não pode pagar pelos seus serviços particulares ou através de convênios. Mas existem centenas, talvez milhares de outros profissionais que atuam em hospitais, ambulatórios e pronto-socorros que, com o salário ofertado cada dia mais defasado, são obrigados a ter três ou quatro empregos para, deles, fazer um com que possam sobreviver. Ai está motivo de tanta reclamação no serviço público de saúde e da evasão das melhores cabeças, muitas delas prestando seus serviços no exterior.

Os sucessivos governos neoliberais privatizaram as mais rentáveis organizações estatais construídas durante décadas com o dinheiro do contribuinte (Banespa, Cesp, Vasp, ferrovias e rodovias), e fazem de tudo para acabar com o funcionalismo público, único e efetivo patrimônio que ainda resta ao Estado. E o dinheiro recebido nas vendas, onde foi parar? Não deve ter servido para muita coisa, pois a malfazeja política de achatamento salarial e falta de investimentos já sucateou a educação, a segurança pública e a saúde básica, setores que o Estado tem a obrigação constitucional de prover, mas não o faz adequadamente.

Os governantes responsáveis não podem se esquecer sua transitoriedade. Em quatro ou, no máximo, oito anos, eles deixarão o mando do país, do estado ou do município. Mas a máquina pública continuará, pois é permanente e não depende das próximas eleições. Infelizmente, nos últimos tempos, a cada governo que sai, a administração pública e seus serviços (os que os governantes ainda não conseguiram privatizar) restam mais enfraquecidos e distantes de atenderem suas finalidades.

Quem teve a oportunidade de viver décadas atrás, quando o contribuinte recebia serviço público de qualidade, é testemunha do justificado orgulho do funcionário em trabalhar para o governo e poder prestar um serviço à comunidade. Lamentavelmente, tudo isso virou passado. Os planos mirabolantes de governos insensatos, que priorizam as obras físicas e eleitoreiras, encolhem a remuneração do servidor público de todos os níveis e os governantes ainda festejam a desestruturação. Daí a idéia de que a reeleição é a pior coisa instituída neste país. Em vez de cumprir seu dever de governar, os eleitos passam o mandato buscando se reeleger. São Paulo está, agora, vendendo a Caixa Econômica, mas o histórico das privatizações autoriza a pensar que isso em nada ajudará o Estado a cumprir sua tarefa de governo. Apenas emagrecerá o patrimônio do povo paulista...

Acorda, Brasil, antes que eles consigam acabar com tudo!

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves –  diretor da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - [email protected]



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?