Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O mundo à beira de uma crise de nervos

O mundo à beira de uma crise de nervos

02/02/2017 Amadeu Roberto Garrido de Paula

Imenso e complexo planeta? Ou tribo de primatas, dos chefes inerentes?

Donald Trump escancara nossas instituições precárias. Um único homem. Um único anelo. O povo discorda, manifesta-se. A aranha de Nova York persiste. Até quando?

A consciência humana foge dos extremos. Sua maturidade está mais do que escrutinada. Grupos radicais cometem suicídio político em sua radicalidade. Esquerda e direita podem sobreviver, sustenta Bobbio. A outros, foram-se no pó do século passado. As pontas extremas, porém, se partiram. Enquanto as primeiras resgatam pouco mais de 20% dos eleitorados mundiais, os extremismos não passam, em grau máximo, de 10%.

Ou partem ao inominável terrorismo. O predador Trump não é exceção. Um homem degrado nos meandros escusos de suas supostas minas de ouro, hábil comunicador num mundo impressionável por equilibristas de um humor de botequim, não foi o vencedor das eleições americanas.

Perdeu-as por quase três milhões de votos populares, o que não é pouco. Hoje seria ridicularizado como um porco vermelho e azul. A resposta é simples. O homem alçou picos montanhosos em matéria de ciências, tecnologia, literatura, filosofia.

Isso proporcionou conforto material e espiritual. Mas não para todos. Os excluídos desses bens são em número muito maior. Por consequência, dependentes e influenciáveis. Essa insustentabilidade é mantida por instituições anacrônicas, que balançam e permanecem.

Os Estados Unidos eram de segunda ordem na década de 30. Porém, sua gente tinha um potencial admirável, que ainda hoje conserva. Quase que se foram nas guerras da independência e da sucessão. Mas a coragem é seu forte, o que não se estende a seus governantes, com as exceções necessárias, como Lincoln e Obama.

Um erro de visão jurídica impregnou os costumes americanos: leis velhas são melhores. Não, o mundo é cambiante, as leis, em alguns países, podem ser, inclusive, tida como revogadas por anacronismo. Já o povo do grande país americano saudou as leis velhas como exemplo de segurança jurídica que garantiu seu breve predomínio mundial.

Esquecem-se que correram "por fora" e do Plano Marshall e da nova geopolítica mundial extraíram a grande vitória. Poderosíssima indústria de guerra fez furtivamente a felicidade tipo "Seleções", cujas figuras coloridas de mundo edílico Trump viu quando criança e quer restabelecer.

A guerra da secessão, tendo como pano de fundo o escravagismo do sul das grandes propriedades, deixou sequelas terríveis na forma de Estado americano. Tanto que são estados unidos, não uma síntese política, sempre receosos de novas rupturas.

Naquele momento de agruras e sangue recíproco, fez sentido o pacto político-eleitoral entre os Estados, a eleição indireta, determinada pelos delegados das respectivas unidades. Por um único voto, um Estado faz diferença no resultado eleitoral.

Assim como um único e pretensioso homem quer fazer a diferença em nosso século. No mundo contemporâneo o sistema é aterrador. O poder não é do povo, mas de alguns; a gloriosa democracia que Rui Barbosa exaltou na república velha brasileira não é democracia.

Mandam os pesos outorgados, então discricionariamente, aos Estados. Assim unidos, não se sabe até quando. Nova York já assinala os primeiros movimentos de estremecimento dos pilares desse sistema anacrônico. Bom "tapa na cara" do aprendiz de feiticeiro deu o vizinho Canadá, ao abrir suas portas aos refugiados perseguidos.

A Europa sente o momento frágil do "grande timoneiro" do mundo, sob valores fundados no humanismo irrespondível. O valente já dá sinais de recuar, como no caso dos "green card", tal qual todos os verdadeiramente medrosos e falastrões o fazem.

Isolado, Trump também verá que seu império romano não influencia mais que 20% do equilíbrio mundial, e que poderá desabar aos ventos de uma prainha, como ocorreu com todos os impérios mundiais.

* Amadeu Roberto Garrido de Paula é Advogado e membro da Academia Latino-Americana de Ciências Humanas.



Dificultando o acesso ao livro

Na proposta de reforma tributária endossada pelo Governo e enviada ao Congresso consta uma nova taxação.


Redes sociais: espaço fértil para a indignação e a esperança

Há um inconformismo geral com o nosso cenário político atual, a indignação é generalizada e evidente em parcela significativa da população.


Como a tecnologia analítica está conquistando espaço no futebol

Com a atual pandemia, os apaixonados por futebol ficaram alguns meses sem ver a bola rolando.


O descaso e a “carteirada” frente à pandemia

A obra Raízes do Brasil de Sergio Buarque de Holanda, originalmente publicada em 1936, analisa elementos fundamentais presentes na cultura brasileira que remontam ao nosso passado colonial e escravagista.


A justiça nossa de cada dia

Se a justiça desaparece é coisa sem valor o fato de os homens viverem-na terra. (Immanuel Kant)


O dia da vergonha

Sem dúvida, ainda temos muito o que aprender com a história para evitar que dias vergonhosos se repitam.


XaaS: Está na hora de pensar em Tudo como Serviço

Quando toda essa crise passar, qual lição levaremos?


A urgência da reforma tributária

No Brasil, o debate sobre a necessidade de uma reforma tributária ocorre há décadas.


Lições importantes da pandemia para os investidores e o futuro financeiro

A pandemia do Covid-19 trouxe impactos significativos em diversas esferas sociais e econômicas.


O Caminho de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire, o botânico francês que ficou conhecido mundialmente apenas como Saint-Hilaire, explorou, entre os anos de 1816 e 1822, a parte central do Brasil colônia e um pouco do sul.


Verdade: qual nos libertará?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.


Vergonha: um orgulho familiar

Ouso iniciar a reflexão sobre o sentimento de vergonha pela adaptação da célebre frase: diga-me do que tens vergonha, que eu te direi quem és!