Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O mundo à beira de uma crise de nervos

O mundo à beira de uma crise de nervos

02/02/2017 Amadeu Roberto Garrido de Paula

Imenso e complexo planeta? Ou tribo de primatas, dos chefes inerentes?

Donald Trump escancara nossas instituições precárias. Um único homem. Um único anelo. O povo discorda, manifesta-se. A aranha de Nova York persiste. Até quando?

A consciência humana foge dos extremos. Sua maturidade está mais do que escrutinada. Grupos radicais cometem suicídio político em sua radicalidade. Esquerda e direita podem sobreviver, sustenta Bobbio. A outros, foram-se no pó do século passado. As pontas extremas, porém, se partiram. Enquanto as primeiras resgatam pouco mais de 20% dos eleitorados mundiais, os extremismos não passam, em grau máximo, de 10%.

Ou partem ao inominável terrorismo. O predador Trump não é exceção. Um homem degrado nos meandros escusos de suas supostas minas de ouro, hábil comunicador num mundo impressionável por equilibristas de um humor de botequim, não foi o vencedor das eleições americanas.

Perdeu-as por quase três milhões de votos populares, o que não é pouco. Hoje seria ridicularizado como um porco vermelho e azul. A resposta é simples. O homem alçou picos montanhosos em matéria de ciências, tecnologia, literatura, filosofia.

Isso proporcionou conforto material e espiritual. Mas não para todos. Os excluídos desses bens são em número muito maior. Por consequência, dependentes e influenciáveis. Essa insustentabilidade é mantida por instituições anacrônicas, que balançam e permanecem.

Os Estados Unidos eram de segunda ordem na década de 30. Porém, sua gente tinha um potencial admirável, que ainda hoje conserva. Quase que se foram nas guerras da independência e da sucessão. Mas a coragem é seu forte, o que não se estende a seus governantes, com as exceções necessárias, como Lincoln e Obama.

Um erro de visão jurídica impregnou os costumes americanos: leis velhas são melhores. Não, o mundo é cambiante, as leis, em alguns países, podem ser, inclusive, tida como revogadas por anacronismo. Já o povo do grande país americano saudou as leis velhas como exemplo de segurança jurídica que garantiu seu breve predomínio mundial.

Esquecem-se que correram "por fora" e do Plano Marshall e da nova geopolítica mundial extraíram a grande vitória. Poderosíssima indústria de guerra fez furtivamente a felicidade tipo "Seleções", cujas figuras coloridas de mundo edílico Trump viu quando criança e quer restabelecer.

A guerra da secessão, tendo como pano de fundo o escravagismo do sul das grandes propriedades, deixou sequelas terríveis na forma de Estado americano. Tanto que são estados unidos, não uma síntese política, sempre receosos de novas rupturas.

Naquele momento de agruras e sangue recíproco, fez sentido o pacto político-eleitoral entre os Estados, a eleição indireta, determinada pelos delegados das respectivas unidades. Por um único voto, um Estado faz diferença no resultado eleitoral.

Assim como um único e pretensioso homem quer fazer a diferença em nosso século. No mundo contemporâneo o sistema é aterrador. O poder não é do povo, mas de alguns; a gloriosa democracia que Rui Barbosa exaltou na república velha brasileira não é democracia.

Mandam os pesos outorgados, então discricionariamente, aos Estados. Assim unidos, não se sabe até quando. Nova York já assinala os primeiros movimentos de estremecimento dos pilares desse sistema anacrônico. Bom "tapa na cara" do aprendiz de feiticeiro deu o vizinho Canadá, ao abrir suas portas aos refugiados perseguidos.

A Europa sente o momento frágil do "grande timoneiro" do mundo, sob valores fundados no humanismo irrespondível. O valente já dá sinais de recuar, como no caso dos "green card", tal qual todos os verdadeiramente medrosos e falastrões o fazem.

Isolado, Trump também verá que seu império romano não influencia mais que 20% do equilíbrio mundial, e que poderá desabar aos ventos de uma prainha, como ocorreu com todos os impérios mundiais.

* Amadeu Roberto Garrido de Paula é Advogado e membro da Academia Latino-Americana de Ciências Humanas.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.