Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O naufrágio da Sexta República

O naufrágio da Sexta República

25/05/2017 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Que venha a Sétima, sem os vícios que hoje nos conduzem à bancarrota.

Ao mesmo tempo em que o presidente Michel Temer se esforça para dar um aspecto de normalidade e tranquilidade ao seu governo, anunciando o propósito de trabalhar pela aprovação das reformas, os seus aliados já discutem nomes para sucedê-lo em caso de impeachment ou da aconselhada renúncia.

Essa falta de sintonia expõe a fragilidade do momento. Tanto que as agências de risco, que dão o tom da atividade econômica mundial, já começam a baixar a classificação do país, de sua rede bancária e de outros ramos de negócios aqui baseados.

A manter-se essa tendência, não demorará muito para os avanços pós-impeachment serem anulados pela recaída da crise e o país voltar ao nível de descontrole que determinou o afastamento da ex-presidente.

Beneficiado pelo ar de seriedade que parecia emprestar ao governo depois da catástrofe que se abateu sobre as gestões petistas, Temer resta agora atropelado pelos acontecimentos revelados na delação dos donos da JBS e por escândalos paralelos envolvendo ministros e assessores diretos.

Fica para o povo a impressão de ter trocado seis por meia-dúzia, e de que, além de trocar o governante, é preciso algo mais profundo, que dê segurança ao Estado e impossibilite os maus hábitos arraigados nos escaninhos do poder.

A maior dificuldade que os partidos encontrarão ao buscar nomes para a sucessão de Temer, seja pela renúncia, pelo impeachment ou mesmo para 2018, está no encontro de alguém que some representatividade político-eleitoral e ficha limpa.

Só no Senado, 24 dos 81 senadores são citados na Lava Jato e estima-se que pelo menos outros 10 ainda deverão cair nas malhas da operação através das delações que virão. Na Câmara também é grande o número de implicados e muitos ainda integrarão a lista, já que só a JBS, provocadora da atual hecatombe política, confessa ter dado dinheiro a mais de 1800 políticos.

O quadro mostra, cada dia mais, que a solução do problema brasileiro não está na simples troca de governo. Precisamos de uma verdadeira revolução ética, moral, política e administrativa. De uma completa remodelação da máquina pública, que a torne eficiente e livre dos sanguessugas que - por ineficiência, desídia ou corrupção - impedem que o Estado devolva ao povo serviços públicos compatíveis com os tributos arrecadados.

E que corruptos e corruptores sejam tratados como autores de crimes hediondos, sendo encarcerados sem o direito de recorrer em liberdade e, além disso, tenham seus bens colocados em indisponibilidade até que se apure a extensão dos danos causados e se faça o ressarcimento, sem prejuízo das penalidades cabíveis.

A chamada Sexta República Brasileira, do jeito que se encontra, naufragou. Que venha a Sétima, sem os vícios que hoje nos conduzem à bancarrota...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.