Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O novo comercial da prefeitura: a hipócrita exaltação da pobreza

O novo comercial da prefeitura: a hipócrita exaltação da pobreza

16/06/2015 Paulo Figueiredo Filho

O comercial novo da prefeitura do Rio de Janeiro, dando enfoque a “qualidades” da área suburbana e enaltecendo-as como algo curioso e magnânimo, me deu pena.

É uma ode à pobreza. Para dizer que o Rio é mais do que seus cartões postais, o vídeo substitui-os por imagens de subúrbio e churrasquinho de gato.

É praticamente uma chamada para o programa “Esquenta” – como se a Regina Casé tivesse dirigido a peça publicitária.

Em uma propaganda onde as áreas “ricas” da cidade são escondidas, a tese é a de que o carioca suburbano e o favelado devem bater no peito e dizer que valem tanto quanto o morador da zona sul. E valem mesmo do ponto de vista humano e como cidadão.

Mas se morar no subúrbio fosse tão bom quanto morar na zona sul, todos se mudariam de cá para lá e o metro quadrado de Madureira estaria parelho com o do Leblon.

O discurso político pode dizer o que quiser, mas oferta e demanda serão implacáveis ao mostrar as verdadeiras preferências pessoais.

Aliás, onde será que moram os idealizadores desse tipo de propaganda? Onde será que tiram férias? Será que no sábado saem para jantar no Rubayat do Jardim Botânico ou comem o churrasquinho da tia Bené em Benfica?

Não é segredo que eu sou grande defensor da administração atual da prefeitura do Rio. Acho que o saldo do governo Eduardo Paes é inegavelmente positivo.

Mas está aí a minha grande diferença pessoal para boa parte da turma que pensa a cidade. O meu Rio ideal não teria mais favelas. Não teria mais casas pobres no subúrbio. E nem churrasquinho de gato.

Não há nada aí a ser exaltado. Todos esses são apenas sintomas da falta de capacidade da cidade e do país de gerar uma economia mais dinâmica para que todos pudessem produzir riquezas a ponto de morar e comer com conforto dignos da zona sul .

Meu carioca modelo vive como a classe média americana de Miami e não a de Havana. Talvez por isso eu sinta que tenho cada vez menos lugar por aqui. Sinto-me um intruso na minha própria cidade.

Que construam um hotel de luxo em Irajá! Quero ver o grande sucesso que será. Eu, do meu lado, tenho constantemente a sensação de que em vez de um Trump Hotel na Barra, deveria estar construindo um puxadinho no Alemão…

* Paulo Figueiredo Filho é Diretor de Relações com o Mercado do Instituto Liberal.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.