Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O novo normal da economia e do trabalho

O novo normal da economia e do trabalho

08/10/2020 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A Covid 19 trouxe mais do que se poderia chamar de cuidados nas relações entre as pessoas e instituições.

Evitar a promiscuidade – sem qualquer conotação rasteira ao termo – é algo que sempre nos foi aconselhado desde a mais tenra idade.

Também já eram conhecidas na pré-pandemia as questões trabalhistas e sociais que, diante do risco de iminente infestação, tornaram-se prioritárias.

É por isso que uma série de comportamentos adquiridos durante ou em paralelo à quarentena, lockdowns e demais restrições sanitárias jamais serão revertidos.

Teremos de com eles conviver por anos e, em alguns casos, para sempre, queiram ou não os cultores das políticas sociais e trabalhistas que fizeram do Brasil um dos mais mastodônticos países na área.

Os empresários de todos os setores descobriram que é mais barato manter parte da equipe em home-office.

Comerciantes e até industriais encontraram no comércio virtual a alternativa de custo e problemas menores do que as vendas presenciais.

As escolas, apesar de todas as dificuldades de adaptação, também acharam o formato das aulas à distância que podem chegar ao aluno pelo computador, tablet, celular ou smarttv ou que, ainda, ser distribuídas por  prendrives e cartões.

Essa e outras modernidades apressadas pela impossibilidade da presença de trabalhadores e clientes nos locais de prestação dos serviços – queiram ou não os imobilistas e saudosistas – vieram para ficar. Se não ficarem por bem, ficarão por mal, mas ficarão.

Terminada a pandemia, cada setor vai se acomodar da melhor e mais econômica forma. Quem trabalha em casa, por exemplo, contabillizará a vantagem de não gastar e nem perder tempo em transporte, não precisar de uniformes e roupas sociais sofisticadas e outras e tomar conta da casa e dos filhos.

Os estabelecimentos ocuparão menor área construída e consequentemente diminuirão os gastos com eletricidade, aluguéis e serviços estruturais.

Até as cidades lucrarão porque com menos gente e veículos circulando, baixarão os congestionamentos e outros problemas urbanos. No serviço público também haverá mudanças, uma vez incorporada a tecnologia.

Os bancos já deram formidável exemplo de mudança de como eram suas agências há alguns anos e de como são hoje e, ainda, como serão a partir da implantação do PIX, o sistema de transferência de valores do Banco Central, que começa a operar em 16 de novembro.

Com toda essa modernização, devemos nos preparar. Especialmente os trabalhadores que já não podem mais contar com o paternalismo trabalhista que, mercê das verbas públicas, fez florescer mais de 16 mil sindicatos pelo país.

Hoje, para sobreviver, o sindicato tem de prestar serviços que motivem o trabalhador a pagar a mensalidade. Mas existem coisas antigas que ainda continuam atuais e, para o bem geral, devem ser observadas.

A principal delas é o conselho que ouvi, anda jovenzinho, do chefe do meu primeiro emprego: Não falte ao trabalho, porque o patrão poderá chegar à conclusão de que você não faz falta.

Professores e outros servidores públicos e privados que têm feito o máximo, inclusive recorrido à Justiça, para se manter em quarentena, precisam pensar nisso.

Se a máxima do meu primeiro chefe for lembrada, eles poderão, mercê do avanço tecnológico, ter problemas, sérios problemas... Mais sérios do que podem imaginar…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?