Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O novo papel do mediador extrajudicial

O novo papel do mediador extrajudicial

23/09/2015 Antonio Carlos Morad

A Lei 13.140/15 trouxe boas novidades para aqueles que detém relações contratuais, quase de todo o gênero, pelos quais poderiam sofrer algum tipo de desavença.

A figura do mediador extrajudicial aparece nessa legislação de forma preventiva, simpática e econômica.

O mediador extrajudicial poderá figurar pela vontade das partes como um desembaraçador de desavenças que possam vir a existir durante o tempo da contratação.

Tal “julgamento” extrajudicial poderá contribuir com um possível apaziguamento das partes gerando economias no âmbito geral, mesmo em relação ao direito privado, ajudando a diminuir o gargalo do sistema judiciário e se antecipando aos casos de arbitragem como forma também econômica.

Essa economia pode ser percebida no tempo e no desencaixe de valores despendidos para iniciar procedimentos de arbitragem, como também com despesas em processo judicial.

Alguns artigos da 13.140/15 tratam sobre o assunto, entre eles: a)(…)Subseção II - Dos Mediadores Extrajudiciais: Art. 9º Poderá funcionar como mediador extrajudicial qualquer pessoa capaz que tenha a confiança das partes e seja capacitada para fazer mediação, independentemente de integrar qualquer tipo de conselho, entidade de classe ou associação, ou nele inscrever-se;

b)(…)Art. 16. Ainda que haja processo arbitral ou judicial em curso, as partes poderão submeter-se à mediação, hipótese em que requererão ao juiz ou árbitro a suspensão do processo por prazo suficiente para a solução consensual do litígio;

c)1º É irrecorrível a decisão que suspende o processo nos termos requeridos de comum acordo pelas partes;

d) 2º A suspensão do processo não obsta a concessão de medidas de urgência pelo juiz ou pelo árbitro.

* Antonio Carlos Morad é fundador da Morad Advocacia Empresarial.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.