Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O novo Relatório de Auditoria e seus impactos

O novo Relatório de Auditoria e seus impactos

25/05/2017 Antonio Ranha

A nova estrutura do relatório traz muito mais informações em comparação a como era feito antes.

Uma das motivações para as alterações nos relatórios do auditor independente – discussão que começou há 10 anos no âmbito do International Auditing and Assurance Standards Board (IAASB) – partiu da constatação de que as demonstrações financeiras se tornaram complexas e de difícil entendimento para o seu público-alvo.

Por algum tempo, houve solicitações de usuários para que o relatório fornecesse mais do que uma opinião de aprovação ou reprovação. Em resposta, o IAASB emitiu em 2015 novos requerimentos sobre o documento.

No Brasil, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) levou à audiência pública, em 2016, a proposição de alteração das Normas Técnicas de Auditoria - NBC TA 700 e 706 – e a instituição da NBC TA 701, que trata da comunicação dos principais assuntos de auditoria no relatório do auditor independente.

Até então, não havia norma tratando desse assunto. O atendimento à nova norma se tornou obrigatória, para todas as Companhias listadas, a partir do fechamento do exercício encerrado em 31 de dezembro de 2016.

Com isso, o auditor tem, por meio de seu relatório, a oportunidade de ajudar o leitor a entender essas demonstrações, destacando as principais áreas ou assuntos de auditoria - como uma espécie de bússola que chama a atenção para as áreas relevantes e de maior julgamento, que auxilia na tomada de decisão do investidor.

Esses requerimentos abriram as portas para o fornecimento aos usuários de maior transparência sobre o trabalho do auditor, as suas responsabilidades e as responsabilidades da Administração e, para as entidades listadas, mais compreensão sobre os principais assuntos da auditoria. A nova estrutura do relatório traz muito mais informações em comparação a como era feito antes.

Tal fato proporciona aos usuários das Demonstrações Contábeis informações extremamente úteis para a interpretação dos fatos que levaram o auditor a emitir tal opinião sobre a auditoria executada. Assim, trata-se de uma medida extremamente positiva, pois, ao esclarecer como os assuntos de auditoria foram conduzidos, o novo relatório ajuda a melhorar a natureza da comunicação com as partes interessadas, permitindo que os usuários reconheçam o valor dessa atividade.

Para o auditor, principal responsável pela aplicação das novas exigências, há a necessidade de descrição mais detalhada da sua responsabilidade e julgamento, além de maior interação com a alta administração e os responsáveis pela governança.

Para o investidor, a principal mudança é o acesso à informações que antes não estavam disponíveis e, a partir daí, considerar como incorporá-las na avaliação de empresas ou na comparação entre empresas.

Para a administração da empresa, há uma descrição mais detalhada da responsabilidade da administração, incluindo as responsabilidades pela continuidade da administração operacional.

Por fim, o Comitê ou Conselho passa a interagir mais com o auditor, discutindo o relatório de auditoria antes da sua divulgação, além de ter a preocupação de certificar-se de que o relatório não divulgue informações sobre a entidade que ainda não estão disponíveis publicamente (informações originais).

* Antonio Ranha é Vice-Presidente de Controle Interno do Conselho Regional de Contabilidade do Rio de Janeiro (CRCRJ).



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.