Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O novo viajante: o que devemos saber sobre ele

O novo viajante: o que devemos saber sobre ele

19/12/2018 João Paulo Berger

Um dos primeiros passos é identificar e definir quais são as gerações envolvidas.

Mapear e entender quais são as principais necessidades dos turistas é essencial para fidelizar o cliente e garantir o sucesso dos empreendimentos hoteleiros e turísticos. Um dos primeiros passos é identificar e definir quais são as gerações envolvidas. Segundo o instituto americano Pew Research Center, essa definição contribui para entender as mudanças e os diferentes comportamentos que envolvem cada faixa etária.

Cada geração foi exposta a cenários diferentes, os quais influenciam seu modo de consumir - e estar atento aos produtos e serviços alinhados ao anseio de seu público-alvo é o maior desafio de qualquer área. Gerações foram expostas a cenários que influenciaram o seu modo de consumir. Assim, oferecer produtos e serviços que condizem com suas expectativas é o grande desafio do mercado - não importa o segmento.

Entre as gerações, há uma que vem se destacando e chamando mais a atenção do setor da hotelaria: a Millennial. Formada por pessoas nascidas a partir da metade dos anos 1990, essa geração, segundo o relatório "2020 Hotel Trend Report", divulgado pelo portal Hotel News Now (HNN), pode dominar o perfil demográfico das viagens. Com espírito mais aventureiro, diferentes experiências vividas durante uma viagem são os motivos que atraem esses jovens. Essas pessoas são apaixonadas por aventuras e buscam conhecer novos lugares como meta de vida.

Há quem diga que esse público é propenso a gastar (ou investir) mais em viagens e novas experiências do que com objetos tangíveis, se comparado a outras gerações. Mas, com a enorme quantidade de informação “solta na nuvem”, eles utilizam a internet como ferramenta para encontrar os lugares que oferecem o melhor custo-benefício.

Nesse cenário, qualidade e bom atendimento ainda estão na lista das preferências, seja em hotéis, pousadas, passeios e outros atrativos turísticos. Um dos subsídios para a tomada de decisão são os reviews feitos pelos próprios usuários, que colocam os “melhores lugares” em evidência e trazem informações mais condizentes com o que eles viverão.

Para se adequar a essa nova geração que já está mudando a forma de fazer negócios na hotelaria, ainda seguindo a linha da era da conectividade e da internet, será preciso investir mais em tecnologia. E isso vai além de troca de equipamentos nos quartos e melhora na internet dos hotéis. Toda a experiência do turista seguirá numa linha mais digital, integrando novidades como forma de melhorar a estadia ou a experiência.

O destaque está nos dispositivos móveis, que serão o meio de comunicação do hóspede com o hotel em todos os sentidos: se antes era preciso chegar na recepção e aguardar a liberação do quarto, no futuro o processo será outro.

Check-in e check-out de forma autônoma, feita do lugar que o hóspede deseja, se tornará praticamente uma exigência. Solicitar serviços via aplicativo também será outro ponto requisitado. A geração Millennial dispensa a conversa entre pessoas durante esse processo de hospedagem, sendo que esse tipo de vínculo só é solicitado em determinadas situações.

A tecnologia deve mediar praticamente todo o processo, deixando o hóspede mais à vontade e livre para gerenciar horários, efetuar serviços e tornar a estadia o quanto íntima quiser. Entretanto, o atendimento presencial ainda se mantém como um diferencial: na hora em que houver algum problema ou a necessidade de contato, a simpatia, presteza e rapidez na resolução continuam sendo essenciais.

É preciso equilíbrio para dar espaço quando necessário, e estar perto quando houver a solicitação. Somente assim a experiência será inesquecível, que é exatamente o que essa geração busca em cada nova viagem.

* João Paulo Berger é gerente geral do Marriott São Paulo Airport.

Fonte: Central Press



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.