Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O olhar das empresas para os jovens de baixa renda em 2022

O olhar das empresas para os jovens de baixa renda em 2022

16/12/2021 Priscila Cardoso

De acordo com dados recentes divulgados pelo IBGE, o Brasil tem 14,8 milhões de desempregados.

O índice é maior entre os mais jovens, já que na faixa etária de 14 a 17 anos, 46% estão em busca de trabalho.

E, de 18 a 24 anos, o desemprego afeta 31% das pessoas. A falta de experiência e oportunidades de estudos, aliado ao cenário da pandemia, faz com que os jovens sofram mais com o desemprego.

Já não bastassem estas preocupações, há uma parcela da ala jovem brasileira que convive com outros problemas, que vão além dos correlacionados à conquista de uma vaga de trabalho.

São situações de vulnerabilidades socioeconômicas esbarradas no futuro, principalmente, da juventude de baixa renda.

Se para muitos morar próximo a grandes centros urbanos, ter um teto para estudar e priorizar a vida escolar são ações corriqueiras, para outros a realidade é diferente. Optar pelos gastos com alimentação ou seguir com os estudos tornam-se dúvidas cruciais.

Todo esse abismo social impacta na qualificação e nas oportunidades do jovem que vive em quadros vulneráveis. Antes de mais nada, precisamos mudar a nossa relação reativa entre Estado e sociedade.

Para começar, é necessário que as empresas quanto organismo social coloquem em prática ações privadas ou, até mesmo, mesclem iniciativas públicas privadas.

O direito virou privilégio e condições básicas, tais como educação e saúde viraram quesitos de privilégio. É preciso possuir uma renda alta para ter um bom convênio médico e acesso à educação de qualidade.

São conceitos alterados, personificando a famosa filosofia pop baiana que diz “que o de cima sobe e o de baixo desce”.

Uma das opções para conter o assimétrico retrato socioeconômico nacional é o programa Jovem Aprendiz.

A Lei, sancionada em 2000, determina que toda empresa de grande ou médio porte deve ter de 5% a 15% de aprendizes entre seus colaboradores.

Geralmente, jovens de 14 a 24 anos, em fase de término do ensino médio ou fundamental em uma escola pública.

Um dos maiores polo de criação de empregos atualmente, a área de TI é muitas vezes a porta de entrada para dar iniciar o voo profissional de jovens de baixa renda.

De acordo com o relatório divulgado da Brasscom – Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais, o segmento de TI e Comunicação segue em expansão e continua criando novos empregos.

No primeiro trimestre de 2021 foram gerados mais de 50 mil novos postos de trabalho, sendo que no mesmo período do ano passado foram cerca de 17 mil.

A análise da Brasscom ainda informa que há uma demanda reprimida, resultado da falta de talentos qualificados.

Em consonância a esta realidade, o programa Jovem Aprendiz é uma via de possibilidade para quem enseja uma vida melhor.

Às empresas cabem destinar oportunidades reais de desenvolvimento e empregabilidade para jovens de baixa renda.

Às vésperas de um novo ano, época proprícia para renovar as esperanças, deixo aqui uma dica: não vamos focar o debate em torno da importância de dar peixes ou da necessidade de ensinar a pescar.

O nosso desafio em 2022, enquanto líderes de temas voltados à diversidade e à inclusão, é criar rios afluentes, que encaminhem estes jovens para novas possibilidades sem optar entre a fome ou o carnaval.

* Priscila Cardoso é líder da área de Diversidade & Inclusão na Certsys, empresa especializada em soluções para Transformação Digital e inovação.

Para mais informações sobre desemprego clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Sing Comunicação de Resultados



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.