Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O olhar das empresas para os jovens de baixa renda em 2022

O olhar das empresas para os jovens de baixa renda em 2022

16/12/2021 Priscila Cardoso

De acordo com dados recentes divulgados pelo IBGE, o Brasil tem 14,8 milhões de desempregados.

O índice é maior entre os mais jovens, já que na faixa etária de 14 a 17 anos, 46% estão em busca de trabalho.

E, de 18 a 24 anos, o desemprego afeta 31% das pessoas. A falta de experiência e oportunidades de estudos, aliado ao cenário da pandemia, faz com que os jovens sofram mais com o desemprego.

Já não bastassem estas preocupações, há uma parcela da ala jovem brasileira que convive com outros problemas, que vão além dos correlacionados à conquista de uma vaga de trabalho.

São situações de vulnerabilidades socioeconômicas esbarradas no futuro, principalmente, da juventude de baixa renda.

Se para muitos morar próximo a grandes centros urbanos, ter um teto para estudar e priorizar a vida escolar são ações corriqueiras, para outros a realidade é diferente. Optar pelos gastos com alimentação ou seguir com os estudos tornam-se dúvidas cruciais.

Todo esse abismo social impacta na qualificação e nas oportunidades do jovem que vive em quadros vulneráveis. Antes de mais nada, precisamos mudar a nossa relação reativa entre Estado e sociedade.

Para começar, é necessário que as empresas quanto organismo social coloquem em prática ações privadas ou, até mesmo, mesclem iniciativas públicas privadas.

O direito virou privilégio e condições básicas, tais como educação e saúde viraram quesitos de privilégio. É preciso possuir uma renda alta para ter um bom convênio médico e acesso à educação de qualidade.

São conceitos alterados, personificando a famosa filosofia pop baiana que diz “que o de cima sobe e o de baixo desce”.

Uma das opções para conter o assimétrico retrato socioeconômico nacional é o programa Jovem Aprendiz.

A Lei, sancionada em 2000, determina que toda empresa de grande ou médio porte deve ter de 5% a 15% de aprendizes entre seus colaboradores.

Geralmente, jovens de 14 a 24 anos, em fase de término do ensino médio ou fundamental em uma escola pública.

Um dos maiores polo de criação de empregos atualmente, a área de TI é muitas vezes a porta de entrada para dar iniciar o voo profissional de jovens de baixa renda.

De acordo com o relatório divulgado da Brasscom – Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais, o segmento de TI e Comunicação segue em expansão e continua criando novos empregos.

No primeiro trimestre de 2021 foram gerados mais de 50 mil novos postos de trabalho, sendo que no mesmo período do ano passado foram cerca de 17 mil.

A análise da Brasscom ainda informa que há uma demanda reprimida, resultado da falta de talentos qualificados.

Em consonância a esta realidade, o programa Jovem Aprendiz é uma via de possibilidade para quem enseja uma vida melhor.

Às empresas cabem destinar oportunidades reais de desenvolvimento e empregabilidade para jovens de baixa renda.

Às vésperas de um novo ano, época proprícia para renovar as esperanças, deixo aqui uma dica: não vamos focar o debate em torno da importância de dar peixes ou da necessidade de ensinar a pescar.

O nosso desafio em 2022, enquanto líderes de temas voltados à diversidade e à inclusão, é criar rios afluentes, que encaminhem estes jovens para novas possibilidades sem optar entre a fome ou o carnaval.

* Priscila Cardoso é líder da área de Diversidade & Inclusão na Certsys, empresa especializada em soluções para Transformação Digital e inovação.

Para mais informações sobre desemprego clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Sing Comunicação de Resultados



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.