Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O papel da comunicação

O papel da comunicação

21/11/2014 Marta Fujii

Na semana passada estive no IV Simpósio Internacional de Desenvolvimento da Primeira Infância, promovido pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, da qual faço parte como voluntária no Comitê de Comunicação.

Como o assunto é extremamente envolvente e os temas abordados têm meu interesse pessoal, sempre saio com a cabeça borbulhante de pensamentos. Desta vez não foi diferente, funcionou como riscar um fósforo perto da pólvora e o questionamento principal que surgiu foi: qual o real papel da comunicação na sociedade? Só posso concluir que é enorme e essencial, no entanto, feito com tamanha irresponsabilidade da nossa parte, profissionais da área.

Exemplos que transformam esta teoria em verdade não faltam. Para começar, tenho dois exemplos vivenciado por todos. O primeiro é do cigarro. Foram feitas inúmeras leis transformando o fumante em um condenado, colocadas imagens chocantes nas embalagens dos produtos e uma restrição implacável a publicidade deste tipo de produto. Mas o mais importante, que é trabalhar a conscientização em massa dos males que o cigarro causa, não foi feita. E se foi, não foi eficiente.

Conscientização requer comunicação, feita com cuidado, lógica e respeito ao seu público. Tratar o problema através da proibição não o resolve, apenas o ameniza. Neste caso especificamente me parece até que houve certa mistura entre legislação e comunicação. De alguma forma, a sociedade passou a negar sua existência e não trata-lo: não ver o fumante não significa que ele não exista. Outro caso similar é o do Estatuto da Criança e do Adolescente. De que adianta um estatuto se não temos pais, mestres e cuidadores preparados para educar uma criança, que no futuro próximo pode se tornar um adolescente problemático?

Novamente colocou-se regras, mas não se colocou à luz, a causa. Como consequência não a tratamos, como sociedade, com o devido cuidado. Dessa forma, não há como esperar resultados satisfatórios. Hoje, sabemos por estudos científicos que a criança, desde a gestação, absorve tudo o que acontece e portanto vai reagir de alguma forma a isso. Não se divulga que nos primeiros anos de vida é que 80% da capacidade cognitiva da criança se forma. Este nível de informação, esclarecedora, importante, crucial, adaptada aos diversos públicos, não chega a grande massa da população.

Fica restrita a grupos que se esforçam herculeamente para conscientizar o maior número de pessoas possível, tentando criar uma agenda positiva sobre a questão e impactar a sociedade com um caminho que indica para uma real evolução. Não condeno a realização das iniciativas citadas, porque é melhor ter algo do que não ter nada, mas condeno o papel do comunicólogo que talvez deixe de questionar quando tem a oportunidade. Nós, profissionais de comunicação, nos tornamos “fazedores” e deixamos de ser “pensadores”.

Deixamos, com raras exceções, de considerar as relações de causa e efeito, não planejamos considerando a forma de absorção da informação do seu target e sua forma de reação. Trabalhamos sob a ditadura das metas de vendas, dos resultados, dos ROIs, e deixamos de fazer perguntas que podem levar nossos clientes a um resultado muito mais consistente e mais promissor. O pensamento e as estratégias estão automatizadas, parecem todas iguais, mesmo que sejam para produtos e mercados diferentes.

Vale a nossa reflexão sobre o nosso real papel como profissionais e na sociedade, pois ela é a reprodução do nosso dia-a-dia, dos nossos lares, dos ambientes que frequentamos. Se nos acomodamos como profissionais, certamente também estaremos acomodados como cidadãos.

*Marta Fujii é sócia fundadora da agência FitLife Marketing, há 27 anos no mercado publicitário.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa