Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O poder público nas redes sociais

O poder público nas redes sociais

19/11/2015 Lucas Alfaix

O uso das redes sociais amplificou o poder de comunicação das empresas e deu voz para os clientes.

Essa oportunidade também viabilizou para o poder público um novo canal para conversar com a população.

Hoje, vemos diversas prefeituras utilizando as redes sociais como mais um canal de relacionamento com o cidadão, a exemplo a Prefeitura de Curitiba.

A oportunidade de conversar com o cidadão num canal mais democrático cria um grande ensejo para os órgãos públicos: estar presente no dia a dia das pessoas e poder resolver e compreender os problemas da cidade.

Mas nem tudo são flores. Ao mesmo tempo em que as redes sociais possibilitaram que os órgãos públicos pudessem conversar com a população, este poder também foi dado à mesma, amplificando reclamações e proporcionando a união das pessoas para cobrar ações dos entes públicos.

A partir do momento que uma empresa, seja ela pública ou privada, dispõe-se colocar um perfil em alguma rede social, ela precisa estar preparada para conversar e manter um diálogo.

Afinal, estamos falando de um canal de comunicação e não apenas de um mural para publicações positivas. É preciso estar preparado e disposto a receber críticas e, principalmente, ser capaz de resolver problemas.

Um órgão público que resolve criar perfis em redes sociais necessita de uma estratégia não apenas virtual, mas de um plano de ação que consiga transformar a vida dos cidadãos.

Um perfil que consiga trazer resultados reais, que auxilie para que a cidade seja um lugar melhor. As ações na rede social não podem ser isoladas, mostrando apenas imagens bonitas e compartilhando apenas notícias positivas.

Elas precisam, também, estar em harmonia com toda a administração, transformando-se em mais um serviço para o cidadão, onde, por exemplo, uma reclamação possa ser encaminhada aos responsáveis e que estes possam responde-lo rapidamente.

As empresas públicas devem entender que a internet tem uma linguagem própria e as redes sociais não podem ser palco para divulgação de qualquer tipo de material oriundo de outras plataformas de comunicação.

As instituições devem adotar uma linguagem adequada para esses canais. Hoje, temos vários exemplos positivos de empresas públicas que utilizam esse novo canal de comunicação, como a Prefeitura de Curitiba, que faz uso dos memes para conversar com o cidadão, e tem recebido uma ótima resposta do público.

Outro exemplo é a Prefeitura de São Paulo, que com uma linguagem mais formal também tem alcançado êxito na comunicação com a população. Ter mais um canal de comunicação com o cidadão é importante e saber utilizar este meio é fundamental.

E o mais importante é o cidadão ficar atento à sua cidade, exigir, fiscalizar e utilizar as redes sociais para fazer valer os seus direitos, sempre com responsabilidade e respeito.

* Lucas Alfaix é Designer, social media, especialista em Mídias Digitais pelo Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG).



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.