Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O problema não é a Cloroquina

O problema não é a Cloroquina

22/05/2020 Tercio de Campos

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.

Uma doença que se espalha rapidamente pelo mundo, que atinge ricos e pobres, jovens e idosos, e com alta taxa de mortalidade, levando à superlotação dos sistemas de saúde e, principalmente, das UTIs.

Os métodos diagnósticos são ainda escassos, caros e imprecisos. Não há vacina disponível no momento, e não há tratamento específico para a doença.

Por isto, a única recomendação segura é não se contaminar com a infecção. E para não se contaminar, o que sabidamente funciona, é ficar isolado em casa. E se não for possível, usar máscaras quando sair.

Parece ser fácil entender isso porque quem ficar em casa não vai se expor ao vírus e, deste modo, não será contaminado. Simples assim!

É fato que muitas pessoas não podem ficar em casa por motivos sociais. Precisam buscar o alimento. Usar máscaras, então, é fundamental nesta situação, afinal, se todos a usarem, um não contamina o outro, pois a principal forma de contaminação é a respiratória. Simples assim. Difícil conseguir polemizar isto, mas, infelizmente, é o que tem acontecido.

A doença ainda é pouco conhecida para a ciência e para os médicos. Desde dezembro, quando foi documentada inicialmente na China, se passaram cinco meses, período este em que pesquisadores do mundo todo se mobilizaram para entender melhor sobre a COVID-19.

Quando se digita o termo COVID-19 no Pubmed (principal base de artigos científicos do mundo), obtém-se 13.863 resultados.

Ou seja, este é o número de artigos científicos publicados em revistas reconhecidas até a manhã de 19 de maio de 2020.

Quando se associa a esta pesquisa o termo “treatment", são obtidos 282 artigos. E, quando é colocado o termo “COVID-19 chloroquine", são 226 estudos publicados até o momento.

No maior estudo, com 1.446 pacientes, publicado no dia 7 de maio no New England Journal of Medicine, uma das revistas científicas com maior credibilidade no mundo, o emprego de hidroxicloroquina não mostrou resultados positivos, sendo, a partir daí, retirada de vários protocolos de tratamento dos Estados Unidos.

E a preocupação existe devido a efeitos colaterais graves, como arritmias, retinopatias, entre outros. Um estudo em Manaus, publicado na JAMA, que testou doses diferentes de cloroquina foi interrompido devido à alta mortalidade em pacientes que receberam altas doses (39%) quando comparado com aqueles que receberam baixas doses (15%).

Existe lógica no emprego da cloroquina na pandemia da COVID-19. Estudos in-vitro, observações epidemiológicas, experiências individuais e a lógica de seus mecanismos de ação mantêm o sentido da continuidade da pesquisa e avaliação desta droga.

O problema é a determinação de um protocolo de tratamento instituído pelo governo federal, sem base científica. E na contramão do que está sendo feito em países como os Estados Unidos, que estão retirando este medicamento de suas recomendações.

Um protocolo de tratamento instituído pelo governo indica que o estado deverá gastar dinheiro na compra de um medicamento que não tem ação comprovada.

E deixar de gastar dinheiro em medidas que comprovadamente funcionam, tais como o fornecimento de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), treinamento de técnicas de paramentação e desparamentação para reduzir a contaminação dos profissionais de saúde, compra de respiradores, aumento do número de leitos de UTI, treinamento de técnicas de tratamento de pacientes intubados, como a pronação, para citar as principais.

A proteção e capacitação da equipe que cuida destes pacientes graves têm melhor efeito que a Cloroquina. A Cloroquina pode, sim, ser prescrita por equipes médicas habilitadas, avaliando caso a caso, seus riscos e seu eventual benefício.

Ela só não pode ser prescrita pelo presidente da República como um gesto messiânico, utilizando-a como uma droga milagrosa para salvar os brasileiros da COVID-19.

E também obrigando os médicos a passarem a prescrever esta droga, muitas vezes contra sua vontade, sob risco de serem processados por pacientes. A ciência e a medicina não entendem este modo de operação.

* Tercio de Campos é médico, cirurgião do trauma e presidente da SBAIT (Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado) – CRM 80.052.

Fonte: Patrícia Capovilla



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.