Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que as redes sociais digitais podem fazer pela política

O que as redes sociais digitais podem fazer pela política

27/05/2015 Ivone Rocha

O cidadão espera da gestão pública comportamento semelhante ao que ele tem diante da mídia digital.

A participação popular via redes sociais, sejam elas virtuais ou não, tem mostrado que o Brasil avança no processo democrático, pelo menos do ponto de vista da sociedade.

Do lado do poder público percebe-se, entretanto, um pouco mais de cautela. O problema maior pode estar na complexidade da comunicação pública na perspectiva dos vários recursos, sobretudo tecnológicos, disponíveis.

Hoje, o cidadão espera da gestão pública comportamento semelhante ao que ele tem diante da mídia digital, com a mesma linguagem, abordagem e, principalmente, agilidade. São fatores que o gestor público não pode prescindir.

Assim, para uma melhor compreensão do valor da comunicação nas ações entre governo e sociedade, cabe primeiro traçar um panorama da atuação do cidadão diante de interesses públicos, com o uso da internet.

Depois, apresentar a comunicação pública nesse contexto. Os movimentos sociais têm tido um papel importante no processo democrático, por notabilizar a democracia e fortalecer as relações da sociedade civil. E não há como negar que a internet foi a grande protagonista na disseminação desses movimentos e nas ações por eles propostas.

Haja vista as mobilizações em todo o mundo desde 2008, com a eleição de um negro nos Estados Unidos, mudança de regimes, queda de ditadores, entre outras, tanto nas ruas quanto na internet.

No Brasil, desde 2011, acompanhamos vários protestos agendados por meio das redes sociais virtuais, entre os quais, manifestações de estudantes e professores da USP, Unifesp e Unesp, fechamento de vias públicas por movimentos de trabalhadores sem teto, o “gente diferenciada” que fechou ruas do bairro de Higienópolis, em São Paulo, em protesto para construção de estação de metrô. Em Goiânia, populares protestaram contra o aumento dos preços dos combustíveis.

Em 2013, todo o País se uniu em ato contra o aumento das passagens de ônibus, cujas ações foram iniciadas em São Paulo, pelo Movimento Passe Livre. Depois, em 2014, foram os jovens da periferia paulistana que, em ato sob o nome de “rolezinho”, invadiram os shoppings para se divertir ou “dar um rolê”, em protesto contra a falta de espaços apropriados. Os jovens de Goiânia também aderiram e prolongaram as manifestações até recentemente. Esses movimentos representam, sem dúvida, o amadurecimento da democracia, na perspectiva da sociedade.

Porém, podem sinalizar uma comunicação pública deficitária, por parte de governos, parlamentos e instituições políticas. Isso ficou comprovado no repúdio dos populares aos partidos políticos.

Mas, o avanço da democracia não pode pressupor a queda de instituições e de lideranças que visam organizar o processo político e fortalecer a democracia. E como lidar com cenários desse tipo? Cohen e Andrew (1994), em Civil Society and Political Theory, sugerem novas políticas de inclusão e mudança nos discursos políticos, levando-se em conta novos atores, necessidades, interpretações e normas, como condições importantes para um projeto de sociedade civil democratizada.

Em outras palavras, faz-se necessário uma comunicação pública eficaz. A comunicação pública, segundo a pesquisadora Elizabeth Brandão (2009), está classificada em cinco áreas do conhecimento: organizacional, científica, governamental, política e da sociedade civil organizada. Embora todas devam ser consideradas pelo gestor público, a que está diretamente relacionada ao processo eleitoral é a comunicação política.

Ela promove um discurso envolvendo políticos, profissionais de comunicação e opinião pública e tem a internet como um importante espaço para o indivíduo poder exercer sua cidadania, participando de ações políticas, sugerindo e questionando decisões do poder político.

Assim, as redes sociais da internet se inserem no que Gaudêncio Torquato (2002) chama de ciclo da descoberta da comunicação como ferramenta dos agentes políticos. E, se esses recursos tecnológicos são protagonistas desse processo democrático, pressupõe-se que tenha eficiência tanto do lado da sociedade quanto dos governos e parlamentos.

Não cabe aqui apontar quem está certo ou errado do ponto de vista de decisões políticas. O que não pode é prescindir dos espaços, da linguagem e da abordagem utilizados pelos indivíduos. As redes sociais oferecem tudo isso e ainda promovem proximidade nas relações. Entretanto, necessita de uma mensagem única, além de coerência entre os discursos das sociedades, dos interlocutores e do poder público.

* Ivone Rocha é Professora no “MBA Comunicação Empresarial e Mídias Digitais” do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG).



Bandejada especial

Montes Claros é uma cidade de características muito peculiares. Para quem chega de fora para morar lá a primeira surpresa vem com a receptividade do seu povo.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes