Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O que esperar do mercado imobiliário em 2018

O que esperar do mercado imobiliário em 2018

09/03/2018 Carlos José Berzoti

“Será que nesse ano vou conseguir comprar minha casa própria?”

O que esperar do mercado imobiliário em 2018

Todo início de ano renascem as esperanças nas pessoas, impulsionadas pela enxurrada de promessas na virada do ano novo. Daí, logo surgem novas metas acompanhadas de alguns questionamentos sendo um deles o clássico " será que nesse ano vou conseguir comprar minha casa própria?"

Afinal, que brasileiro não sonha com esta conquista. E para esse pessoal não faltam boas notícias. Existem alguns pontos favoráveis que podem dar uma forcinha para tirar os planos do papel. A taxa de juro Selic caiu para 6,75% e também os bancos voltaram a reforçar seu caixa com a caderneta de poupança.

Os juros da poupança estão superiores aos da renda fixa e assim e ficarão por um bom tempo. Aliado a isto, temos a retomada do recurso do FGTS. Assim, a Caixa Econômica terá mais verba para destinar ao empréstimo imobiliário denominado Pró-Cotista.

Como parte dos recursos da poupança deve ser direcionado ao financiamento habitacional, já estamos sentindo um movimento dos bancos nesse sentido. Com juros baixos, já temos investidores analisando a possibilidade de migrar seus investimos para imóveis de olho no resultado da locação, mercado que aqueceu muito nos últimos anos.

O estoque de imóveis novos pronto disponíveis nas construtoras diminuíram, devido as ofertas dos últimos meses. A entrega das obras que estavam em andamento e o anúncio de novos empreendimentos animam o mercado imobiliário.

Lançamentos de edifícios significa possibilidade de compra do imóvel na planta, onde durante o prazo de construção o comprador só tem que desembolsar 30% do valor do imóvel como parte da entrada, divididos pelo tempo da construção que dura cerca de dois anos.

A previsão dos especialistas do mercado imobiliário já anunciam crescimento de 10% nos lançamentos de imóveis novos e usados e a retomada começou por mercados importantes como São Paulo e Brasília.

Boas notícias de todos os lados! E qual é o momento certo? Como sempre digo, o momento certo é agora! Comece decidindo se comprará um imóvel novo ou usado, se pronto para morar ou na planta, veja seus recursos a ser investido, consulte bancos para aprovação de um crédito imobiliário e faça planos para o seu futuro.

Desejo um ano de muitas realizações e que você consiga um bom negócio ao comprar seu imóvel.

* Carlos José Berzoti



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.