Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que estamos esperando?

O que estamos esperando?

01/05/2018 Júlio Röcker Neto

O ano que passou foi, sem dúvida, importante para a educação brasileira.

A aprovação da BNCC (Base Nacional Comum Curricular) para os ensinos Infantil e Fundamental e a reforma do Ensino Médio talvez tenham tirado o cenário educacional do ponto de inércia. O que não significa que fechamos 2017 com motivos para comemorar.

Dados do Censo Escolar mostram o quanto ainda temos para avançar até que se consigam oferecer condições mínimas de aprendizagem nas escolas de todo o país. Um dos maiores desafios continua a ser o Ensino Médio. A evasão escolar dessa etapa ultrapassa os 11%.

E, para reduzir esse número, é preciso analisar com cuidado e precisão não apenas essa fase da vida escolar, mas sim toda a trajetória de aprendizado do estudante. O levantamento nacional mostra que, em 2017, mais de um terço dos jovens entre 15 e 17 anos que frequentavam a escola estavam em situação de distorção de idade e ano escolar.

A fórmula que reúne atraso, baixo desempenho e um contexto de estagnação produz péssimos resultados. Grande parte dos estudantes que concluem o 9º ano não se sente motivada a seguir para o Ensino Médio.

Para reverter isso, não basta oferecer a vaga e facilitar o acesso à escola. Governo e educadores precisam enxergar a urgência de se mudar por completo o modelo de ensino e oferecer para o jovem estudante um processo de aprendizagem mais atraente e efetivo.

Para melhorar os indicadores do Ensino Médio, é preciso começar a fazer – bem – a lição de casa, muito antes da última etapa da Educação Básica. As dificuldades de aprendizado, em geral, surgem no início da trajetória escolar, principalmente na fase de alfabetização, e produzem estragos ao longo de toda a vida do estudante.

A Avaliação Nacional de Alfabetização aponta que mais da metade dos alunos brasileiros entre 8 e 9 anos não está plenamente alfabetizada – o que traz repercussões graves se pensarmos que essa realidade está diretamente ligada à distorção de idade e ano e, mais tarde, à evasão escolar.

Garantir que crianças e jovens aprendam e que o façam na idade certa requer um enfrentamento do problema que ainda está longe de acontecer quando se analisam a postura de nossos governantes e a falta de prioridade com que conduzem as questões ligadas à educação.

Um país em que quase metade das escolas públicas de Ensino Fundamental não possui biblioteca ou sala de leitura é um país que ainda tem um grande problema e não é de se surpreender que mais da metade de nossas crianças não esteja alfabetizada no tempo certo.

O Plano Nacional de Educação (PNE) completa 4 anos em 2018 e é outro indicativo de que essa luta está longe de ser vencida. Das 20 metas e centenas de estratégias com previsão para serem alcançadas a curto, médio e longo prazos (mesmo sabendo que a maioria das metas teve algum encaminhamento), quase nenhum dos prazos até agora foi cumprido.

Precisamos, entre outras coisas, deixar de acreditar que condições mínimas e pequenos avanços serão suficientes. É preciso oferecer ensino de qualidade para uma trajetória de aprendizagem digna.

Precisamos olhar para países como Finlândia, Coreia do Sul, Hong Kong e Japão, que têm os melhores indicadores do mundo quando se trata de educação, e repensar com urgência o fato de que o Brasil ocupa a penúltima posição no ranking mundial que avalia a qualidade da educação.

Se não houver um verdadeiro compromisso de mudança que coloque a educação como a prioridade maior de nosso país, continuaremos perpetuando um cenário de desigualdade de oportunidades, no qual poucos são contemplados e muitos deixados pelo caminho.

* Julio Röcker Neto é gerente editorial do sistema de ensino Aprende Brasil.

Fonte: Central Press



Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos: