Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que fazer para tornar uma empresa franqueadora

O que fazer para tornar uma empresa franqueadora

03/06/2022 Igor Maia

O processo de franquia de uma empresa nem sempre começa da forma correta.

Muitas das vezes, é desencadeado pela aparição de um cliente que gosta de uma loja qualquer, dos produtos, dos preços, do atendimento, e aborda o proprietário sobre a possibilidade de torná-la uma franquia e abri-la em outro ponto da cidade.

A conversa flui, e os dois se veem seduzidos por ideias parecidas: a do futuro franqueado, de explorar e ganhar dinheiro com uma marca pronta, estruturada e que tem tudo pra dar certo no ponto de venda (que ele pode até já saber onde vai ser!); e a do franqueador, que vê a oportunidade de ver seu negócio se expandir sem um aparente grande esforço – pelo contrário, recebendo um valor considerável para isso.

Algumas reuniões depois, com o contrato assinado e a loja montada, os trabalhos começam. E aí vêm as dores de cabeça: para o dono da marca, o franqueado não tem a mesma habilidade e disposição que ele entende como necessário.

Para o franqueado, o dono não oferece o suporte e as vantagens esperadas, e o negócio não é tão lucrativo como parecia.

Esse filme se repete quase todos os dias, e acaba sepultando uma ideia que tinha um bom propósito, mas que tomou os rumos errados. Primeiramente por erro do próprio franqueador.

Propostas para tornar a marca uma franquia podem surgir com frequência, mas compete a ele analisar as possibilidades de fazer dessa expansão algo realmente rentável.

Antes de conceder a licença para uso da sua marca à pessoa que a empresa não conhece, é necessário realizar um plano de negócios.

Isto significa fazer uma análise aprofundada do mercado e compreender a viabilidade da mudança, que passa também pelo levantamento dos investimentos necessários e dos custos iniciais. Isso vai permitir mostrar aos potenciais interessados o quanto vale a pena apostar recursos na sua franquia.

Ainda na fase de elaboração do plano de negócios, compete ao franqueador projetar o prazo de retorno do capital investido, os valores a cobrar pela franquia, os royalties, entre outros valores, dando uma visão geral e expectativas para o franqueado.

É o primeiro passo para apresentar aos interessados, ao mesmo tempo em que estabelece um plano de expansão com base no nicho da empresa e no perfil da empresa e dos próprios clientes.

O contrato deve ser formulado por um advogado especializado em processos de franchising, por solicitação do franqueador. Ele se ampara na Lei 8.955/94, que contém a Circular de Oferta da Franquia (COF).

O documento contempla as predisposições que vão nortear as soluções para os conflitos judiciais que eventualmente surgirem entre as partes.

A partir da assinatura do contrato, o franqueador precisa elaborar um manual de padronização, que deve ser seguido à risca pelo franqueado, com informações relevantes quanto ao uso da marca, o padrão de cores e de arquitetura do ambiente, o modelo de atendimento e o gerenciamento dos produtos oferecidos pelo local. Sendo importante, nesse sentido, que o franqueador crie mecanismos de controle de qualidade.

Também é importante considerar a hipótese de o negócio dar errado. Neste caso, é válido considerar a absorção da loja pelo franqueador em vez do fechamento.

Para isso, convém elaborar um planejamento orçamentário para que essa capacidade financeira ocorra já nos primeiros meses.

Afinal, a ideia de franqueamento precisa ser interessante para ambos os lados, e para isso o passo número um é dotar-se de uma organização e de uma consultoria financeira e jurídica adequada à migração para esse modelo de negócio.

Uma franquia bem estruturada tem grande potencial de êxito, mas é muito importante delimitar as expectativas e as projeções do negócio. Por mais que possa parecer fácil, não é.

Os dois lados devem atuar como parceiros, sempre com foco no crescimento, e sem perder de vista o respeito às regras do jogo.

* Igor Maia é advogado do escritório BLJ Direito e Negócios.

Para mais informações sobre franquia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A Justiça Eleitoral é confiável?

As polêmicas levantadas pelo presidente da República e seus correlegionários sobre o processo eleitoral têm sido constantes, e acabam por criar em uma parcela da população um clima de incerteza sobre a confiabilidade das eleições e das instituições envolvidas.


A revolução do mercado não dá opções: ou muda ou morre!

Com o perdão da força de expressão no título deste artigo, é preciso dizer que ele traz mais verdades do que excessos. O mercado mudou radicalmente.


Polícia x Criminalidade

Novamente assistimos pelos jornais de todo o país e nas redes sociais, a nova operação da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro que resultou na morte de 12 pessoas e um policial ferido no olho por estilhaços.


Efeito pandemia: mercado de seguros é alvo da catalização da transformação digital

A pandemia da COVID-19 acelerou novos movimentos de migração de consumidores para o universo online, gerando um salto catalizador para a transformação digital.


Sic transit gloria mundi: o ex-juiz virou réu

Sic transit gloria mundi (toda glória no mundo é transitória), era utilizada no ritual das cerimônias da coroação papal até 1963.


Os riscos do homeschooling para a educação básica no Brasil

O homeschooling ou ensino domiciliar é uma modalidade que se pretende aplicar na educação básica do Brasil.


O futuro já não dura tanto tempo

A situação vivida por uma mulher que, em franco surto psicótico, foi encontrada por seu companheiro mantendo relações sexuais com um homem que vive em situação de rua, dentro de um carro, espalhou-se pelas redes sociais.



Osteopatia: Técnica de medicina complementar é tendência para auto-reparação

A Osteopatia é um método de avaliação e tratamento que busca restabelecer a função da estrutura compreendendo todos os sistemas do corpo sem a utilização de remédios ou intervenção cirúrgica.


Uma imagem vale mil informações

É difícil não se admirar com a quantidade de recursos tecnológicos que temos à nossa mão no mundo contemporâneo.


As inovações e necessidades na retomada dos serviços de campo nos negócios

Quando falamos da necessidade de uma experiência positiva do cliente ao contratar um serviço ou produto, muitas vezes nos referimos à compra e usabilidade, mas não podemos nunca nos esquecer da importância que os serviços de atendimento ao cliente e solução de problemas tem não apenas na fidelização do cliente, mas também na imagem da empresa ao mercado.


A resistência à privatização das estatais

Aprovada na última quarta-feira, pelo TCU (Tribunal de Contas da União), a privatização da Eletrobras causa grande agito nacional.