Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O que fazer por um Brasil melhor? Doravante a gestão!

O que fazer por um Brasil melhor? Doravante a gestão!

07/06/2014 Airton Cicchetto

Menos política e mais gestão. Neste momento, é o que de melhor se poderia fazer pelo bem do Brasil.

A rádio Jovem Pan finaliza nesta quarta-feira, dia 04, num grandioso evento em São Paulo, sua bela campanha intitulada “O que fazer por um Brasil melhor” que, ao longo de meses, diariamente, trouxe ao ar empresários e personalidades brasileiras, que opinaram sobre caminhos para melhorar nosso país.

Muitos comentários, excelentes sugestões, sábias recomendações, brilhantes ideias, tudo foi apresentado na programação da rádio e acompanhado por seus ouvintes numa espécie de sonho possível de um país melhor. Um grande brainstorm foi ao ar, com a participação de personalidades de diferentes formações e visões, e atingiu rincões de nossa terra dada a extensa e difusa penetração da emissora.

Agora, o evento em São Paulo encerra a campanha e, claro, ficam as perguntas de todos que a acompanharam: O que será feito? Como sermos pragmáticos? Como transformar os sonhos em projetos e os projetos em realizações? Minha opinião é que, para isso, só há um caminho: gestão! Somente com gestão competente pode ser possível viabilizar este sonho de um país melhor. Este, arrisco a dizer, deve ser também o pensamento dos líderes empresariais entrevistados.

Assim, sugiro iniciar compondo uma Matriz de Planejamento Estratégico - MPE. Isto mesmo, esta matriz é usada pelas boas empresas quando se deseja materializar as ideias, ou torná-las realidade. E funciona de uma forma muito simples. Vejamos, todos sabemos o que define o grau de desenvolvimento de um país e todos também sabemos quais são as expectativas e desejos do povo brasileiro: mais educação, saúde, segurança, proteção ao meio ambiente, controle da inflação e crescimento econômico, os principais.

A MPE bem conduzida avaliaria quanto ou em que grau as tais ideias apresentadas na campanha seriam capazes de influenciar positivamente a conquista destes desejos. Por esta análise seria perfeitamente possível estabelecer uma ordem de prioridade para implementação das ideias selecionadas. E, para estas, seria definido um plano de ações, com datas e responsáveis por sua implementação. Sequencialmente, a cada proposta implementada o país estaria mais próximo de satisfazer as expectativas dos brasileiros.

Como vemos, seriam dois passos gerenciais: a MPE e depois os planos de ações. Parece complexo, mas não é. É muito simples. É pura gestão. Em 2009, a entidade The Alliance for American Manufacturing editou, com autoria do jornalista Richard McCormack e outros dez professores e pesquisadores, o livro Manufacturing a Better Future for America. A iniciativa foi um esforço coordenado para denunciar os graves efeitos da desindustrialização do país e catalisar as forças da sociedade americana em defesa dos interesses da nação.

E, como sabemos, pragmatismo não falta aos americanos. Coincidência ou não, hoje os Estados Unidos, já estão deixando a crise para trás e vivendo dias melhores. Assim como lá, oxalá aqui, a campanha da Jovem Pan possa ajudar a conduzir o Brasil a melhores tempos. Sim, é possível, desde que, doravante, façamos mais gestão e menos política. Desta tese, suponho, devem convir também a Jovem Pan e seus entrevistados.

*Airton Cicchetto é consultor, palestrante empresarial, engenheiro, mestre em administração e idealizador do modelo SCG - Simples Complexo Gerencial-Simplificando a Gestão.



Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.