Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que são museus monumento e sua arquitetura?

O que são museus monumento e sua arquitetura?

08/01/2021 Danielly Dias Sandy

A partir do século XX, encontramos diversas tendências que surgem na museologia, dentre elas podemos destacar, inclusive, um novo formato arquitetônico para os museus, sobretudo de arte moderna e contemporânea.

Essa arquitetura, bastante ousada e por vezes monumental, é apresentada na construção e ou adaptação de edifícios destinados à salvaguarda de acervos de bens museais.

Há quem diga que, com isso, a visibilidade dos conteúdos internos dos museus acaba sendo deixada para segundo plano em decorrência da arquitetura desses locais que passam a ser elementos marcantes no espaço urbano.

E isso porquê, embora tenham um projeto contemporâneo, se adequam facilmente à arquitetura do entorno, tornando-se mecanismos adjetos à identidade urbanística das cidades como verdadeiras obras de arte.

Podemos observar o quão rico pode ser o conteúdo arquitetônico de uma instituição museológica moderna ou contemporânea, passível de tantas reflexões, tantos questionamentos.

E, como a arquitetura do museu já se integra no composto do patrimônio, é perfeitamente possível compreender o seu lugar de destaque em um museu, sendo o próprio museu.

E assim, faz-se necessário ampliar a ideia de patrimônio museológico para que este não se torne restrito ao conteúdo interno da instituição ou que seja visto como algo isolado, com o juízo de concorrência entre acervo e arquitetura.

Aos museus monumento, criados por grandes arquitetos como verdadeiras obras de arte, cabe ainda a missão de dialogar com o espaço em que estão inseridos; e assim, por que não dialogar também com os acervos e coleções presentes em seu interior?

É visível que essa “nova” arquitetura agrega valor às instituições museológicas, atraindo um número ainda maior de visitantes e, essa concepção arquitetônica pode, inclusive, se estender para mais tipologias de museus, além dos museus de arte moderna e contemporânea.

Nada me surpreende, por exemplo, que um museu de física fique muito bem alojado e representado por uma arquitetura ousada, diferente, monumental, ou uma obra que tenha aquilo que os arquitetos chamam de pregnância.

Em relação a questão voltada ao acervo, a priori inexistente, desses museus que ‘surgem’ inicialmente mais como obra arquitetônica do que como espaço de preservação, acredito que isso não necessariamente possa ser uma crise ou um problema tanto para a sociedade quanto para a museologia, mas apenas um reflexo da pós-modernidade, representada pelo ímpeto de uma cultura do fragmento.

Para tanto, vejo a criação e construção de um museu já como irrefutável justificativa de sua própria existência e, como muitos acervos de arte moderna e contemporânea estão se formando agora, a criação de um espaço museológico para receber esses novos artefatos pode ser um interessante e fértil laboratório de coleta da produção atual, para construção da memória de futuras gerações.

* Danielly Dias Sandy é mestra em Museologia e professora da área de Linguagens Cultural e Corporal nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Artes Visuais do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1 Comunicação



LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.