Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Regozijo da Esperança

O Regozijo da Esperança

19/05/2016 Bady Curi Neto

O país acompanhou o julgamento da admissibilidade do Impeachment no Senado Federal.

Os senadores favoráveis ao governo voltaram a discursar a ideia de golpe e a fala dos ricos contra pobres, dividindo o país em castas sócias, onde os mais abastados não conseguem viver sob o comando de uma Presidente eleita pelos menos privilegiados financeiramente.

O discurso não convence, o fato é que a presidente deu causa ao oferecimento da denúncia do pedido de Impeachment, cometendo o que a lei define como crime de responsabilidade, e sendo um julgamento político/administrativo, a pressão da sociedade fez com que seus representantes nas casas legislativas votassem favoráveis ao impedimento, na esperança de que o país volte a uma estabilização política e ao crescimento econômico.

Da mesma forma não está em julgamento os avanços na área social realizada pelo governo Lula, pois se nada de proveitoso tivesse ocorrido não teria sido reeleito, é curial. A indignação da população é da atual crise e dos crimes apontados na denúncia, demonstrada a insatisfação através de diversas manifestações espontâneas, pacíficas e geralmente realizadas aos domingos, porque na segunda-feira as pessoas tinham que labutar.

O Processo do Impedimento não se trata, absolutamente, de golpe ou revanchismo, trata-se de aplicação da lei. No sistema Presidencialista, onde o representante da República assume uma posição unipessoal de chefe de poder e chefe do governo, o presidente pode muito, mas não pode tudo, sua função e suas decisões também estão vinculadas à lei, devendo agir em conformidade com o arcabouço jurídico, principalmente as normas constitucionais.

Todos os cidadãos devem respeitar as normas impostas à sociedade, seja um simples trabalhador braçal ao mandatário maior da nação, este é o preço de viver em um Estado Democrático de Direito. Com o processo do Impeachment e o afastamento da Presidente, o Brasil vive um momento histórico.

É a segunda vez que, após a volta da eleição direta, um Presidente da República é afastado do seu cargo em razão de ter cometido crime de responsabilidade. Tais processos são sempre traumáticos à sociedade que vê o seu eleito defenestrado de sua função por desvio de conduta, tipificado, no caso, na Lei 1079/50 e na Constituição Federal.

Apesar da comoção e do trauma social vivenciado pelo processo de tamanha envergadura, há um amadurecimento da Democracia e um avanço cultural, restando firme que ninguém está acima da lei, nem mesmo o mandatário maior da nação.

A eleição de um representante no poder executivo ou no legislativo, em qualquer esfera, seja ela Federal, Estadual ou Municipal, não o torna imune ao arcabouço legal, os votos recebidos de seus eleitores não consubstanciam em envoltório contra a punibilidade de ações, por ventura, praticadas ilicitamente.

O momento, como dito, é histórico, mas não é feliz. A população não comemora a saída de seu representante maior, a nação regozija com esperança de um Brasil melhor, com transparência das contas públicas, com a diminuição da corrupção, do aparelhamento do Estado e com políticas econômicas e sociais sérias.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.