Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O sucesso econômico brasileiro é fundamentalmente falso

O sucesso econômico brasileiro é fundamentalmente falso

10/09/2018 Rodrigo Berté

Não existe preocupação com o crescimento hegemônico e nem com a degradação ambiental.

O sucesso econômico brasileiro é fundamentalmente falso

A noção de crise sistêmica se relaciona com a complexa rede de cenários e fatores que impactam a vida atual, nos quais estão inseridas diversas crises, entre elas: social, econômica, política, ambiental, ética e com abrangência geográfica diversa – local, regional, nacional e global. Acrescentam-se a isso as crises nas comunidades, nas relações humanas, tudo o que afeta o tecido social no atual contexto socioambiental.

Na obra Sociedade de Risco Mundial – Em Busca da Segurança Perdida (Coimbra: Editora Almedina 2005, Anthony Giddens e Ulrich Beck) os autores destacaram os aspectos de contemporaneidade de riscos e de incertezas, colocando-os como centrais no debate social.

Por outro lado, os desafios das sociedades atuais são os mesmos das sociedades antigas, como o impacto do crescimento demográfico, o temor da falta de alimentos e água, problemas com o desmatamento, o uso intensivo do solo, acrescidos das ameaças das mudanças climáticas.

A outra relação que se deve debater e discutir são as atividades antrópicas, ou seja, a pressão do homem sobre o meio, o acúmulo de produtos tóxicos no ambiente e a falta de políticas públicas para a implantação de projetos de energia limpa.

Há de se destacar a ausência de pesquisas nessa área, como as que se referem à capacidade fotossintética da terra, por exemplo. Os efeitos nefastos emergiriam sob a forma de fome generalizada, o que já temos visto em países onde a imigração e a migração ocorrem por vários problemas sociais e conflitos políticos. Guerras extremas e conflitos internos geram a perda de complexidade social.

Para enfrentar esse processo do insucesso do milagre econômico brasileiro, coloca-se como destaque o poder público com relevante papel de estimular as atividades que sejam essenciais para a sociedade e de se contrapor de maneira adequada aos efeitos das crises, estimulando atividades VERDES.

As medidas adequadas podem levar ao crescimento econômico sustentável, incluindo impostos ambientais e lançando o papel verde do tesouro, ligados diretamente aos investimentos de baixo carbono, sustentável do ponto de vista ambiental.

Por outro lado, podemos citar como uma medida eficiente a participação pública no setor de energia. Por fim, para definir prosperidade, levam-se em conta dois fatores principais: coletividade e continuidade.

* Rodrigo Berté é diretor da Escola Superior de Biociências do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1 Comunicação



O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.