Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O uso da inteligência artificial na gestão jurídica

O uso da inteligência artificial na gestão jurídica

02/05/2018 Claudio Bernardo

A tecnologia de IA (Inteligência Artificial) pode trazer muitos benefícios para a gestão jurídica.

Imagine o seguinte cenário: toneladas de papéis, pilhas de documentos, milhares de processos, centenas de relatórios periódicos enviados pelos escritórios terceirizados. Se identificou?

Pois saiba que a tecnologia de IA (Inteligência Artificial) pode trazer muitos benefícios para a gestão jurídica. Para comprovar isso, o JP Morgan, maior banco dos Estados Unidos, estima que, por meio de IA, são processadas em segundos, análises que consomem cerca de 360 mil horas de trabalho de advogados por ano.

De acordo com estudo da Thomson-Reuters, a IA pode desempenhar um papel significativo na área jurídica, aumentando a produtividade dos profissionais - não substituindo-os, como muitos podem pensar.

Se esse dia a dia burocrático já excede o tempo disponível dos profissionais do departamento jurídico, pense, então, no esforço necessário para classificar tendências, detectar padrões, procurar desvios e anomalias.

Por isso, todas as áreas e profissionais devem olhar para a IA como uma oportunidade de transformação de seus serviços. Na gestão jurídica, a tecnologia de IA já é usada para diversas atividades:

- Em pesquisas legais e para projetos piloto que tentam prever resultados de litígios;

- Na automatização de tarefas repetitivas, como a elaboração de acordos de menor exposição ou de baixa responsabilidade;

- Com amostragem para identificar documentos relevantes;

- Na busca e coleção de cláusulas para revisão durante uma due diligence transacional, por exemplo;

- Na avaliação do desempenho dos serviços contratados aos escritórios parceiros.

Os chatbots são um exemplo atual de como a Inteligência Artificial pode contribuir no atendimento e relacionamento empresa-cliente. Ao analisar e consultar uma base gigantesca de dados e interações, esses robôs respondem em linguagem humana, auxiliando nos chamados dos clientes e dando detalhes e prazos de determinado chamado, priorizando as solicitações de acordo com a urgência.

Os gestores das áreas jurídicas das empresas precisam perceber o potencial da IA para transformar seus departamentos, reduzir custos, desenvolver estratégias de negócios, minimizar os riscos contratuais e avaliar os serviços dos escritórios contratados.

Adotar ferramentas de Inteligência Artificial na gestão jurídica já está se transformando em realidade porque, simplesmente, elas já estão por aqui e em todos os lugares. Você vai ficar de fora?

* Claudio Bernardo é arquiteto de soluções da Benner.

Fonte: Brain Story Comunicação



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.