Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O uso do celular, até para telefonar

O uso do celular, até para telefonar

04/12/2019 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.

Essa é a segunda maior atividade no sistema, superada apenas pelas buscas em portais e bancos de informações.

A pesquisa, divulgada pelo Google em evento realizado em São Paulo, diz que o terceiro maior serviço nos celulares é a leitura de jornais, revistas e sites de notícias, por 70%, seguida da pesquisa de mobilidade (Google Mps e Wase) por 65%, vindo depois o acesso a serviços públicos (FGTS, INSS e documentos digitais), por 44% dos usuários.

É uma formidável mudança de perfil em relação ao começo da década de 90, quando os celulares chegaram ao Brasil apenas com a função de fazer ligações telefônicas sem estar ligados a um fio.

Hoje o smartphone é ferramenta de trabalho, lazer, emergência e serve, até para telefonar.

No longínquo 1932, quando publicou o seu livro “Admirável Mundo Novo”, o escritor britânico Aldous Huxley - que se tornou best-seller e leitura obrigatória de gerações, projetando sua história ao ano 2540, 632 DF (Depois de Ford, o pioneiro do automóvel) - jamais poderia imaginar que um aparelhinho individual, surgido como telefone, poderia ir, paulatinamente, assumindo tantas atividades.

O smartphone constitui hoje item indispensável à vida das pessoas, independente de sua condição cultural, financeira, religiosa, social ou profissional.

Muitos serviços e interesses antes disponíveis só na forma presencial, estão no telefone e alguns já começam a ser exclusivos desse meio e da internet, o grande ambiente em que se insere a telefonia móvel.

Em lugar dos automóveis que voavam nas estórias de ficção científica de décadas atrás, temos hoje os carro autônomo, que anda sem motorista. O mundo começa a ser invadido pelo carro elétrico que, pelo visto, poderá levar o petróleo à inviabilidade.

As distâncias antes vencidas em horas, dias, meses e até anos pelo cavalo, barco, automóvel ou avião, agora são cobertas pelo sinal eletrônico dos computadores e smartphones que nem precisam estar ligados fisicamente a qualquer ponto da rede para levar imagens, documentos e informações a qualquer parte do planeta, viajando na velocidade da luz.

Como tudo que vem para facilitar a vida do homem também pode ser utilizado para subjugá-lo e contrariar seus interesses, o ambiente digital, onde se inserem os smartphones, tem de ser encarado como um mundo à parte e estar sujeito a normas e regulamentos. Isso para não virar território de ninguém e, em vez de ajudar, trazer problemas à vida das pessoas.

Embora de forma inesperada a Huxley e a outros futurólogos, o computador, a internet, o celular e, particularmente, o smartphone nos proporcionam o idealizado mundo novo e transformam a Terra na aldeia global que muitos, ao ouvirem sua citação, décadas atrás, pensaram tratar-se, apenas, de frase de efeito. Seu uso responsável é de fundamental importância…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.


Maria pecadora do Rosário foi barrada por militares

No primeiro dia da reunião dos BRICS em Brasília, um grupo de apoiadores de Juan Guaidó ocupou a embaixada da VENEZUELA.