Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O uso do Crowdfunding para o desenvolvimento de M.V.Ps de startups

O uso do Crowdfunding para o desenvolvimento de M.V.Ps de startups

03/07/2019 Marcelo Bárcia

O processo de consolidação do chamado Capital de Risco (Venture Capital) é uma realidade cada vez mais evidente no ecossistema empreendedor brasileiro.

Meios de aporte nesta modalidade, como investimento-anjo, seed-money, editais de órgãos públicos de fomento, aportes de aceleradoras, vem sendo cada vez mais utilizados por fundadores de startups.

Embora não possam ser incluídas na categoria de Capital de Risco, acredito que as Plataformas de Crowdfunding podem ter um papel importante para o desenvolvimento das startups brasileiras, especialmente para aquelas que se encontram no estágio inicial de suas atividades (early stage).

De forma objetiva o Crowdfunding pode ser definido como um financiamento coletivo, onde potencialmente, milhares de pessoas poderão podem doar quantias variadas, geralmente por meio de plataformas na internet, para apoiar causas, projetos sociais, produtos e outros empreendimentos.

Prática muito conhecida internacionalmente, o Crowdfunding ganhou seu espaço nos últimos anos, especialmente pelo trabalho muito bem desenvolvidos por plataformas como Benfeitoria, Catarse-me, Abacashi, entre outras.

O ponto de conexão, que acredito ser oportuno entre as Plataformas de Crowdfunding e as startups, é o M.V.P (Minimum Viable Product), ou Produto Mínimo Viável, instrumento adotado por startups para validar conceito de produtos, com uma entrega de resultados para potenciais clientes.

O MVP segue a lógica dos modelos propostos pela  lógica de startups enxuta, adotadas por autores renomados como Eric Ries e Ash Maurya, que defendem esta metodologia que prioriza o baixo investimento nesta fase, experimentação rápida, avaliação, correção e formatação.

A importância desta ferramenta é praticamente consensual entre os diversos protagonistas do ambiente das startups (fundadores, mentores, aceleradoras e investidores), tendo em vista à possibilidade de diluição de riscos e desperdício de recursos de vários tipos neste momento de prototipagem, que é crítico para sucesso das startups.

Em função de suas principais características, simplicidade e baixo risco, o uso do Crowdfunding pode proporcionar um match adequado com as startups em busca de validação de seu MVP, uma vez que os doadores de campanhas com a apresentação dos produtos, estariam endossando sua crença na solução apresentada, além de feedbacks (positivos ou negativos) espontâneos e com cunho de credibilidade sobre suas experiências com de adotantes iniciais.

A utilização das plataformas de Crowndfunding para validação de Start-Upsainda não traduz uma tendência evidente. Provavelmente, porque muitos empreendedores ainda tem uma perspectiva desta modalidade atrelada à industria criativa, cultural e terceiro setor.

Entretanto, meu envolvimento com mentoria e investimentos em startups sinaliza que o interesse e sinergia entre as duas partes é cada vez maior.

* Marcelo Bárcia é Professor Universitário e Mentor da Aceleradora Bluefields Development e Programa Inovativa Brasil.

Fonte: Mr. Da Vinci



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.