Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O valor da hora de trabalho dos empregados bancários

O valor da hora de trabalho dos empregados bancários

25/04/2017 Ricardo de Villefort Alves Pinto

Embora tenha natureza operacional e contábil, também é regido por normas jurídicas específicas.

O valor da hora de trabalho dos empregados bancários

O cálculo do valor devido de horas extras é a operação mais comum na rotina contábil da maioria dos empreendimentos e fundamental nas demandas judiciais trabalhistas, mas também é um dos procedimentos mais complexos para os profissionais de ambos os campos.

Embora tenha natureza operacional e contábil, também é regido por normas jurídicas específicas, que exigem o conhecimento de conceitos legais especializados e direitos convencionais singulares de determinadas categorias laborais.

Um exemplo desta complexidade latente foi enfrentado recentemente pelos ministros do Tribunal Superior do Trabalho, em 21/11/2016, sob a relatoria do ilustre ministro relator Cláudio Brandão, no Incidente de Julgamento de Recursos de Revista Repetitivos nº 0002 que atingirá todos os empregados brasileiros, especialmente os da categoria bancária.

O divisor é um instrumento jurídico de aplicação contábil que corresponde ao número de horas remuneradas por mês. Este fundamental instrumento, muitas vezes pouco compreendido, tem o condão de alterar exponencialmente o valor do salário-hora e, consequentemente, o valor das horas extras devidas, com reflexos profundos em diversas verbas remuneratórias e no resultado financeiro dos processos trabalhistas.

Após enfrentar o mérito, contrapondo os argumentos de juristas e entidades sindicais comprometidas com os interesses de empregados e empregadores, a primeira Seção de Dissídios Individuais SDI-1 pacificou as divergências anteriormente instauradas da seguinte forma.

“O número de dias de repouso semanal remunerado pode ser ampliado por convenção ou acordo coletivo de trabalho, como decorrência do exercício da autonomia sindical. O divisor corresponde ao número de horas remuneradas pelo salário mensal, independentemente de serem trabalhadas ou não.

O divisor aplicável para cálculo das horas extras do bancário, inclusive para os submetidos à jornada de oito horas, é definido com base na regra geral prevista no artigo 64 da CLT (resultado da multiplicação por 30 da jornada normal de trabalho), sendo 180 e 220, para as jornadas normais de seis e oito horas, respectivamente.

A inclusão do sábado como dia de repouso semanal remunerado, no caso do bancário, não altera o divisor, em virtude de não haver redução do número de horas semanais, trabalhadas e de repouso.

O número de semanas do mês é 4,2857, resultante da divisão de 30 (dias do mês) por 7 (dias da semana), não sendo válida, para efeito de definição do divisor, a multiplicação da duração semanal por 5. Em caso de redução da duração semanal do trabalho, o divisor é obtido na forma prevista na Súmula n. 431 (multiplicação por 30 do resultado da divisão do número de horas trabalhadas por semana pelos dias úteis). As normas coletivas dos bancários não atribuíram aos sábados a natureza jurídica de repouso semanal remunerado. ”

Apesar da matéria ter sido apreciada em decorrência de uma demanda atinente aos profissionais da categoria bancária, os pressupostos assumidos acerca do tema serão observados em relação a todas as demais categorias laborais do país, despontando com um tema de grande relevância para empregadores, empregados e juristas de todo o país.

* Ricardo de Villefort Alves Pinto é mestre em Administração de Empresas, Especialista em Direito de empresa, Advogado Coorporativo no escritório Arantes Brito & Ottoni Advogados Associados.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.