Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Verdadeiro "Vilão" dos Megaeventos

O Verdadeiro "Vilão" dos Megaeventos

17/05/2016 Morgana Toaldo Guzela

Os "vilões" não são os megaeventos, mas alguns daqueles que os organizam.

Pan, Copa e, mais recentemente, Olimpíadas, demandaram investimentos “astronômicos”. E quais são os seus legados? O que veio à sua mente? Aspectos positivos ou negativos? Tanto no Brasil como fora, em momentos de alto investimento como esses, há o constante questionamento, dadas as necessidades em áreas como a saúde, a educação, transporte, segurança, além dos impactos sociais, culturais, ambientais, etc. Porém, uma análise mais criteriosa e de médio a longo prazo é necessária.

Com tais megaeventos, há melhoria na infraestrutura das cidades receptoras, seja com estruturas esportivas, como com vias e meios de transporte e hospedagem, capacitação de trabalhadores, melhores padrões de serviços, novos negócios, desenvolvimento das capacidades turísticas e receptivas da cidade e cidadãos, exposição internacional do país, aumento do consumo, etc. Esses são alguns dos aspectos positivos, com impactos sociais, culturais e também financeiros.

Todavia, os benefícios podem ser maiores se for maximizada, por exemplo, a percepção da importância da prática esportiva e do desenvolvimento de atletas. Ao analisar grandes medalhistas, a cada competição percebe-se que o investimento e valorização dos esportes daqueles países é constante e faz parte de uma política que envolve além dos esportes, áreas como a de saúde e de educação. Uma constante que independe dos megaeventos, mas que fazem parte da cultura e da política e que trazem contribuições que vão muito além das medalhas, já que é comprovado que com a prática esportiva melhora-se o desempenho escolar, cultural e social, bem como a saúde dos praticantes, minimizando problemas de saúde durante toda a vida. Aliado a isso, cria-se significado para a vida de muitos jovens, que investem seu tempo em práticas saudáveis, diminuindo a criminalidade, a miséria, dentre outras mazelas.

Trazer megaeventos para nosso país deve, ou deveria, suscitar na população e, principalmente nos governantes, tal percepção mais estrutural, que visa aproveitar essa janela de oportunidade aberta, com os altos investimentos, para a construção da infraestrutura necessária não somente para os megaeventos, mas para a sociedade, para os cidadãos que dia a dia trabalham para pagar impostos. Que, de janeiro a abril, trabalham quase que exclusivamente para o sustento de um governo que, apesar de ter sido escolhido pelo voto popular, não faz jus a tal representação, fazendo escolhas partidárias e pessoais, buscando benefícios próprios, sem falar nas corrupções desenfreadas.

Ao analisar casos de sucesso, como o de Barcelona, percebe-se e deve-se aprender que os megaeventos ou outras janelas de oportunidade que abrem possibilidades de grandes investimentos devem ser cautelosamente planejados, com foco na sociedade, no seu desenvolvimento e nos ganhos de longo prazo. Ainda, observa-se que o planejamento deve considerar prazos e investimentos factíveis, impossibilitando manobras que deixem de lado a transparência e a livre concorrência, que facilita o encobrimento de corrupção.

Concluo que os "vilões" não são os megaeventos, seja no Brasil ou fora, mas alguns daqueles que os organizam, que necessitam de maior profissionalismo, imparcialidade e visão de longo prazo, com benefícios para o cidadão. Esses "vilões" o são, por não saberem o real propósito de sediar megaeventos, sabendo que são um meio e não um fim em si próprios. São “vilões” por esquecerem o real propósito de representar sua população.

*Morgana Toaldo Guzela, coordenadora do Curso Superior de Gestão de Eventos do Centro Tecnológico Positivo.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa