Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Verdadeiro "Vilão" dos Megaeventos

O Verdadeiro "Vilão" dos Megaeventos

17/05/2016 Morgana Toaldo Guzela

Os "vilões" não são os megaeventos, mas alguns daqueles que os organizam.

Pan, Copa e, mais recentemente, Olimpíadas, demandaram investimentos “astronômicos”. E quais são os seus legados? O que veio à sua mente? Aspectos positivos ou negativos? Tanto no Brasil como fora, em momentos de alto investimento como esses, há o constante questionamento, dadas as necessidades em áreas como a saúde, a educação, transporte, segurança, além dos impactos sociais, culturais, ambientais, etc. Porém, uma análise mais criteriosa e de médio a longo prazo é necessária.

Com tais megaeventos, há melhoria na infraestrutura das cidades receptoras, seja com estruturas esportivas, como com vias e meios de transporte e hospedagem, capacitação de trabalhadores, melhores padrões de serviços, novos negócios, desenvolvimento das capacidades turísticas e receptivas da cidade e cidadãos, exposição internacional do país, aumento do consumo, etc. Esses são alguns dos aspectos positivos, com impactos sociais, culturais e também financeiros.

Todavia, os benefícios podem ser maiores se for maximizada, por exemplo, a percepção da importância da prática esportiva e do desenvolvimento de atletas. Ao analisar grandes medalhistas, a cada competição percebe-se que o investimento e valorização dos esportes daqueles países é constante e faz parte de uma política que envolve além dos esportes, áreas como a de saúde e de educação. Uma constante que independe dos megaeventos, mas que fazem parte da cultura e da política e que trazem contribuições que vão muito além das medalhas, já que é comprovado que com a prática esportiva melhora-se o desempenho escolar, cultural e social, bem como a saúde dos praticantes, minimizando problemas de saúde durante toda a vida. Aliado a isso, cria-se significado para a vida de muitos jovens, que investem seu tempo em práticas saudáveis, diminuindo a criminalidade, a miséria, dentre outras mazelas.

Trazer megaeventos para nosso país deve, ou deveria, suscitar na população e, principalmente nos governantes, tal percepção mais estrutural, que visa aproveitar essa janela de oportunidade aberta, com os altos investimentos, para a construção da infraestrutura necessária não somente para os megaeventos, mas para a sociedade, para os cidadãos que dia a dia trabalham para pagar impostos. Que, de janeiro a abril, trabalham quase que exclusivamente para o sustento de um governo que, apesar de ter sido escolhido pelo voto popular, não faz jus a tal representação, fazendo escolhas partidárias e pessoais, buscando benefícios próprios, sem falar nas corrupções desenfreadas.

Ao analisar casos de sucesso, como o de Barcelona, percebe-se e deve-se aprender que os megaeventos ou outras janelas de oportunidade que abrem possibilidades de grandes investimentos devem ser cautelosamente planejados, com foco na sociedade, no seu desenvolvimento e nos ganhos de longo prazo. Ainda, observa-se que o planejamento deve considerar prazos e investimentos factíveis, impossibilitando manobras que deixem de lado a transparência e a livre concorrência, que facilita o encobrimento de corrupção.

Concluo que os "vilões" não são os megaeventos, seja no Brasil ou fora, mas alguns daqueles que os organizam, que necessitam de maior profissionalismo, imparcialidade e visão de longo prazo, com benefícios para o cidadão. Esses "vilões" o são, por não saberem o real propósito de sediar megaeventos, sabendo que são um meio e não um fim em si próprios. São “vilões” por esquecerem o real propósito de representar sua população.

*Morgana Toaldo Guzela, coordenadora do Curso Superior de Gestão de Eventos do Centro Tecnológico Positivo.



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.