Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O vira-lata envelhece

O vira-lata envelhece

30/07/2008 Divulgação

Se nós estamos nessa vida deve haver algum motivo. Acredito que seja o de ser feliz. Mas o que é ser feliz? Questãozinha complicada. As opiniões divergem muito. De minha parte, feliz é você não estar triste.  Triste é ter aporrinhações, do tipo uma cadela querendo exclusividade, pessoas te mandando latir assim ou assado, ter que fazer necessidades em minúsculos espaços. Enfim, triste é a idéia de ter dono.

Desde tenra idade, experimentei a necessidade de liberdade. Fui filho de uma ninhada de quatro. Dois morreram, e outro foi dado. Fiquei eu lá, junto de minha mãe. Mas vendo-a puxada por mãos rústicas, com a dura coleira ao pescoço, já me indignei. Não éramos, todos, seres vivos, habitando o mesmo planeta, vivendo a mesma irracional e breve existência, então por que é dado a uma espécie o direito de sobrepujar a outra?

Eram idéias pueris, dessas que não se sustentam com análise mais detida. Contudo, era meu modo de pensar, e eu nele acreditava. A ração que eu comia vinha de animal abatido, os legumes arrancados, o leite que eu bebia vinha de alguma pobre vaca violentada, nada disso me incomodava. Irritava-me tão somente minha raça ser submetida a do ser humano.

A situação se manteve insuportável, e após a terceira surra, jurei a mim mesmo que fugiria da prisão insana que certos amigos chamam de lar. Mergulhei no mundo, nas ruas, nas vielas, sem coleira, sem ordens, sem gritos. Bem, os gritos não cessaram de todo, visto que ainda que não tivesse um dono estava eu numa cidade de homens. Basta nos depararmos com um mal-humorado, para que sejamos humilhados, até perseguidos com pedras, paus. Os pontapés aleatórios são os mais comuns.

Ainda assim a felicidade é imensa. Se nos primeiros meses de liberdade, diante da nova experiência, eu tremi, chorei, me escondi, sofri, logo fui percebendo o verdadeiro benefício.  Estava livre. A comida? Esta é a razão por que muitos permanecem com os donos humanos, temem que, a céu aberto, a fome os aniquile. Mas certas lavagens do lar podem muito bem serem encontradas na rua. Revirando lixo, fazendo pose de pedinte diante de uma estufa de frango assado, encostando-se a um bar no qual esteja rolando um churrasco. As opções são inúmeras. Afinal não nascemos do cordão umbilical humano, podemos nos virar.

O abrigo? Fora os dias de chuva, dormir debaixo dum banco da praça sacando a paisagem é quase um paraíso. Há muita alternativa. O bom é evitar ficar debaixo de veículo, porque já ouvi relatos horríveis sobre companheiros esmagados durante o sono. Cuidado com a molecada ou os drogados de todos os gêneros que perambulam na madrugada. Quantos colegas eu vi mortos no outro dia.

Perigos, privações nada supera a liberdade. Agora mesmo estou seguindo esses quadris. Ela é linda. Tem dono, mas é daquelas que dá uma escapada, me convida para um terreno baldio, me usa, e logo que terminamos, corre para seu dono. Eu não a culpo. Manter seu estilo de vida, a comida, os produtos de beleza, o penteado, custa dinheiro. Estando eu feliz com minha liberdade, acho meu dever propiciar felicidade à cadela aprisionada.

Sinto que estou envelhecendo. Ainda falta tempo para degenerar, mas estou envelhecendo. Meu destino é certo: velho, jogado num canto, a morrer, sem dono. Triste, né? Nada. A morte é inevitável. Espero assistir de meu canto fúnebre a vida esvair-se sem ter tido a necessidade de precisar de mendigar o socorro de um dono.

* Escritor, autor do livro ANDO DE ÔNIBUS, LOGO EXISTO! Disponível no site www.livrariacultura.com.br



Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos: