Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O xilindró de Lula se aproxima

O xilindró de Lula se aproxima

08/05/2017 Julio César Cardoso

O xilindró de Lula se aproxima de forma meteórica.

Podem as carpideiras do PT ir se preparando porque vão ter que chorar muito depois que o juiz Sérgio Moro confirmar as acusações da Odebrecht e da OAS de que o Amigo (Lula) se locupletou, ele, filhos e PT, de dinheiro ilícito das empreiteiras.

O enriquecimento ilícito do Lula e filhos, produto de pura esperteza de tirar proveito do poder, vem corroborar a declaração do jurista e um dos pioneiros do Partido dos Trabalhadores Hélio Bicudo, que afirmou, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enriqueceu de forma ilícita usando a figura da Presidência da República.

Segundo Bicudo, "Lula se corrompeu e corrompe a sociedade brasileira como ela é hoje através da sua atuação como presidente da República". Bicudo se afastou do PT em 2005, quando explodiu o escândalo do mensalão.

Questionado sobre o que mais o decepcionou em sua trajetória no PT, Bicudo foi taxativo: "O que mais me impressionou foi o enriquecimento ilícito do Lula. Eu conheci o Lula numa casa de 40 metros quadrados. Hoje, o Lula é uma das grandes fortunas do país. Ele e os seus filhos".

Vejam: Emílio Odebrecht em tom prosaico relatou que certa feita em conversa com a eminência parda do governo militar Golbery de Couto e Silva, este, ao se reportar ao então atuante sindicalista, disse-lhe que Lula não era nem de esquerda e nem de direita, que Lula era simplesmente um “bon-vivant”.

De fato, pelo enriquecimento ilícito de Lula na política, desmascarado pela Odebrecht e OAS, o ex-presidente, com a sua fleuma de nordestino pobre, queria mesmo era gozar as delícias de poder fumar um bom charuto cubano; beber um puro uísque, desfrutar de sítio de lazer e de aparamento de cobertura, presenteados por amigos e empreiteiras; simular palestras no exterior para abiscoitar dinheiro da corrupção da Odebrecht; enfim, enganar os incautos brasileiros como se Lula fosse um político honesto e sério.

As revelações do ex-presidente da OAS, empreiteiro Léo Pinheiro, ao juiz Sérgio Moro, fulminam qualquer dúvida quanto à honestidade e seriedade de Lula.

Revelou o empreiteiro (1) que, além de mantenedor de sua família, o ex-presidente era proprietário oculto do apartamento tríplex de Guarujá; (2) que o imóvel foi reformado em 2013 a pedido de Lula e sua mulher; (3) que as despesas foram pagas com dinheiro desviado dos cofres da Petrobras; (4) que a empreiteira mantinha uma conta-propina para usufruto de Lula e operada por João Vaccari Neto, então tesoureiro do PT, no valor de 15 milhões de reais e que dessa conta saiu o dinheiro que bancou a compra do apartamento, sua reforma e ainda parte das obras de ampliação de um sítio em Atibaia; e (5) na mais grave das revelações, que Lula pediu a Léo Pinheiro que destruísse provas dos pagamentos feitos em beneficio dele: “Você tem algum registro de algum encontro de contas, de alguma coisa feita com o Joao Vaccari? Se tiver, destrua.”

Lula hoje não tem coragem de ir sozinho a qualquer boteco, pois sabe que será hostilizado pela maioria do povo brasileiro. As pesquisas que dão conta de que o ex-presidente lidera a preferência ao Planalto não tem credibilidade diante da realidade brasileira deixada pelo governo do PT.

Será que os eleitores de Lula conhecem o seu envolvimento com a ODEBRECHT e a OAS? Assim, desconfia-se de que as pesquisas são direcionadas aos redutos petistas, que não se importam com a desonestidade do Lula.

Segundo revelou o ex-deputado federal Pedro Corrêa, condenado no mensalão e na Lava-Jato, o maior esquema de corrupção da história foi criado com o conhecimento e o aval do ex-presidente Lula e mantido pela presidente Dilma.

* Júlio César Cardoso é Bacharel em Direito e servidor federal aposentado.



George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.