Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Obesidade: combatendo o mal em família

Obesidade: combatendo o mal em família

20/07/2017 Flavia Salvitti

A obesidade pode trazer consequências muito ruins ao organismo.

Tema constante de discussões entre os profissionais da saúde, a obesidade afeta 41% dos homens e 40% das mulheres no país. As crianças também sofrem com o problema: um terço dos brasileiros com idade entre cinco e nove anos estão com o peso acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Independentemente da faixa etária, a obesidade pode trazer consequências muito ruins ao organismo, como: hipertensão, diabetes, problemas cardíacos e na vesícula biliar, insuficiência renal etc.

A reeducação alimentar familiar é uma alternativa para quem quer promover a conscientização em casa e ainda encontrar motivação para a própria dieta. Mas, para que a medida funcione e se torne mais simples, é importante ter o apoio de todos.

Se for necessário, interromper a compra de guloseimas e manter as tentações longe é uma opção. Os primeiros alimentos que devem ser eliminados são os de “caloria vazia”, ou seja, aqueles que são muito calóricos e nulos em vitaminas, sais minerais e proteínas.

Salgadinhos, biscoitos, doces, refrigerantes e bebidas alcoólicas estão entre eles. Aderir às substituições pode ajudar muito no processo de reeducação alimentar. Os biscoitos recheados, por exemplo, podem ser trocados pelos de fibras, por frutas secas ou iogurtes com pedaços de frutas.

Substituam os bolos recheados por bolos simples, como de cenoura, fubá e mandioca. As bebidas gaseificadas e alcoólicas podem dar lugar aos sucos naturais, água ou água de coco. Lembrem-se de acrescentar às refeições folhas, legumes e carnes magras, além de evitar frituras.

As batatas podem ser assadas ou cozidas, e a carne pode ser grelhada, sem adição de óleo. Mudar os hábitos alimentares é o primeiro passo para uma vida mais saudável. O equilíbrio entre reeducação alimentar e a prática de atividades físicas certamente resultará na perda de peso.

E ainda pode ser um agente de confraternização entre a família, que pode se alimentar e até praticar exercícios unida com mais frequência.

* Flavia Salvitti é nutricionista e coordenadora do Departamento de Nutrição do Hospital San Paolo, centro hospitalar localizado na Zona Norte de São Paulo.



Os candidatos avulsos e os partidos

Por iniciativa do ministro Luiz Roberto Barroso, o STF (Supremo Tribunal Federal) abre a discussão sobre a as candidaturas avulsas, onde os pretendentes a cargo eletivo não têm filiação partidária.


Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.