Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Onde a geração Z investe

Onde a geração Z investe

23/10/2021 Sofía Gancedo

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.

Muitos desses jovens serão a força de trabalho do futuro próximo e, portanto, os principais motores das economias.

Uma das primeiras conclusões do relatório é que investir em ações e títulos - ferramentas seguras e estáveis para a criação de riqueza - não vai gerar retornos tão positivos para os jovens que fazem suas primeiras investidas no campo profissional.

Enquanto a Geração X e a Geração Y conseguiram obter retornos reais médios de cerca de 5% em ações e 3,6% em títulos, a Geração Z pode esperar somente retornos anuais de 2%.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial (WEF), um dos motivos dessa hipótese é a super-representação dessa faixa etária em empregos na indústria de serviços, como restaurantes e varejistas, que foram bastante afetados pela pandemia.

Devido aos longos períodos de desemprego, diz o WEF, a Geração Z perderá anos de treinamento buscando experiências profissionais imediatas, o que prejudicará sua capacidade de avançar quando se trata de ingressar na carreira profissional.

Embora as estratégias de investimento mais tradicionais possam estar falhando perante às gerações mais jovens, há evidências de que elas estão começando a trilhar seu próprio caminho. Um exemplo disso é o investimento no varejo, em que as gerações Z e Y possuem até 25% do mercado de ações.

A faixa etária também está impulsionando o desenvolvimento de investimentos sustentáveis, de acordo com o Instituto Morgan Stanley para Investimentos Sustentáveis.

Crescer em um período de mudanças tecnológicas, ecológicas e sociais pode significar que as gerações mais jovens estão menos presas ao passado. O que nos coloca em uma era de busca por investimentos inovadores.

Neste contexto, o crowdfunding é uma boa opção para as gerações mais jovens que procuram investir por diversos motivos.

Enquanto os Millennials e a Geração X tendem a destacar o crescimento do capital e complementar a aposentadoria como principais prioridades de investimento, para a Geração Z, levantar capital para pagar, por exemplo, a educação costuma ser mais importante.

Isso significa que o que essas gerações procuram frequentemente é desempenho e segurança, em vez de liquidez.

Adicionar bens imobiliários às suas carteiras faz todo o sentido nesta estrutura, uma vez que fornece ativos globais diversificados, retornos estáveis de longo prazo e de moeda. Tudo isso sem exigir muito capital inicial.

Aproximando a lupa para a realidade nacional, o interesse do público jovem em adentrar ao universo dos investimentos mostra-se cada vez maior.

O Raio X do Investidor Brasileiro, da ANBIMA, identificou maior diversificação de carteiras de investidores ‘Z’ e ‘milleniuns’, e aponta que a “Geração Z”, totalmente digitalizada, é a que mais investiu e arriscou durante a pandemia.

A pesquisa revelou que, em 2020, 50% da geração ‘Z’ economizaram. Esse também foi o grupo geracional que mais conteve seus gastos, 27,7%, ante 20,3% do grupo mais populoso, os ‘milleniuns’.

Na economia, para além da inflação, da dívida externa e de todo o tipo de incertezas, também será necessário colocar uma lupa na compreensão dos grupos de idade mais jovens para empoderá-los como atores relevantes numa economia que deve se estabilizar.

* Sofía Gancedo é COO da Bricksave e licenciada em Administração de Empresas pela Universidade de San Andrés e mestre em Economia pela Eseade.

Para mais informações sobre Investimentos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: AVC



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.