Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Onde a geração Z investe

Onde a geração Z investe

23/10/2021 Sofía Gancedo

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.

Muitos desses jovens serão a força de trabalho do futuro próximo e, portanto, os principais motores das economias.

Uma das primeiras conclusões do relatório é que investir em ações e títulos - ferramentas seguras e estáveis para a criação de riqueza - não vai gerar retornos tão positivos para os jovens que fazem suas primeiras investidas no campo profissional.

Enquanto a Geração X e a Geração Y conseguiram obter retornos reais médios de cerca de 5% em ações e 3,6% em títulos, a Geração Z pode esperar somente retornos anuais de 2%.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial (WEF), um dos motivos dessa hipótese é a super-representação dessa faixa etária em empregos na indústria de serviços, como restaurantes e varejistas, que foram bastante afetados pela pandemia.

Devido aos longos períodos de desemprego, diz o WEF, a Geração Z perderá anos de treinamento buscando experiências profissionais imediatas, o que prejudicará sua capacidade de avançar quando se trata de ingressar na carreira profissional.

Embora as estratégias de investimento mais tradicionais possam estar falhando perante às gerações mais jovens, há evidências de que elas estão começando a trilhar seu próprio caminho. Um exemplo disso é o investimento no varejo, em que as gerações Z e Y possuem até 25% do mercado de ações.

A faixa etária também está impulsionando o desenvolvimento de investimentos sustentáveis, de acordo com o Instituto Morgan Stanley para Investimentos Sustentáveis.

Crescer em um período de mudanças tecnológicas, ecológicas e sociais pode significar que as gerações mais jovens estão menos presas ao passado. O que nos coloca em uma era de busca por investimentos inovadores.

Neste contexto, o crowdfunding é uma boa opção para as gerações mais jovens que procuram investir por diversos motivos.

Enquanto os Millennials e a Geração X tendem a destacar o crescimento do capital e complementar a aposentadoria como principais prioridades de investimento, para a Geração Z, levantar capital para pagar, por exemplo, a educação costuma ser mais importante.

Isso significa que o que essas gerações procuram frequentemente é desempenho e segurança, em vez de liquidez.

Adicionar bens imobiliários às suas carteiras faz todo o sentido nesta estrutura, uma vez que fornece ativos globais diversificados, retornos estáveis de longo prazo e de moeda. Tudo isso sem exigir muito capital inicial.

Aproximando a lupa para a realidade nacional, o interesse do público jovem em adentrar ao universo dos investimentos mostra-se cada vez maior.

O Raio X do Investidor Brasileiro, da ANBIMA, identificou maior diversificação de carteiras de investidores ‘Z’ e ‘milleniuns’, e aponta que a “Geração Z”, totalmente digitalizada, é a que mais investiu e arriscou durante a pandemia.

A pesquisa revelou que, em 2020, 50% da geração ‘Z’ economizaram. Esse também foi o grupo geracional que mais conteve seus gastos, 27,7%, ante 20,3% do grupo mais populoso, os ‘milleniuns’.

Na economia, para além da inflação, da dívida externa e de todo o tipo de incertezas, também será necessário colocar uma lupa na compreensão dos grupos de idade mais jovens para empoderá-los como atores relevantes numa economia que deve se estabilizar.

* Sofía Gancedo é COO da Bricksave e licenciada em Administração de Empresas pela Universidade de San Andrés e mestre em Economia pela Eseade.

Para mais informações sobre Investimentos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: AVC



O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.