Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Onde a religião se perdeu?

Onde a religião se perdeu?

30/11/2015 Robson Profeta

Quando ouvirmos falar em religião, somos transportados para o mundo místico repleto de crenças, milagres, impossibilidades e figuras alegóricas que residem em nosso consciente coletivo.

Às vezes cremos nestas figuras por amor e devoção, às vezes por temor. Quantas foram às ocasiões em que nos defrontamos com pessoas dizendo que todas estas histórias são bobagens e que é impossível acreditar nas figuras de Adão e Eva e como um homem teria poder em abrir os mares.

Pensemos... Será que não existe uma mensagem escondida em todas as crenças e religiões? Será que a religião não se perdeu exatamente por não saber explicar qual seu verdadeiro papel?

Explico: Você conhece a história do anjo da luz, o mais belo, de nome Lúcifer? Pois é, aquele que caiu do céu por desobedecer à gestão do Criador, por se considerar tão ou mais competente que o Próprio?

Lúcifer abdicou do “Nós” em detrimento do “Eu”. Agora pense: Se isto é apenas uma história e se Lúcifer (Satanás) realmente não existiu, quem sabe um bem aventurado não tenha resolvido criar esta historia para materializar a vaidade e o orgulho, veneno da alma, através de um símbolo medonho de chifres e rabo evitando assim que cometêssemos este mesmo pecado, e consecutivamente a necessidade de nos confrontarmos com o senhor das trevas.

E a desobediência de Adão e Eva? Talvez seja outra história criada pelo homem para expressar o prazer em detrimento dos valores morais e éticos, e que não necessariamente o sexo seja algo punitivo e proibitivo, mas que ele pode ser um gatilho do prazer em detrimento das regras de boa convivência e pensamento coletivo.

Cristo quem sabe, não tenha nascido de uma virgem (um milagre para aqueles tempos), mas talvez esta fosse a forma mais eficaz de dizer que ele não foi fruto do sexo, considerado como pecado assim como na história de Adão e Eva.

E se Cristo veio de uma virgem, não teríamos um messias criado do erro e melhor o aceitaríamos. É irrelevante discutirmos se ele é filho de uma virgem ou não, a mensagem é outra. O príncipe Sidarta ao fugir de seu castelo e conhecer as dores do mundo, buscou o isolamento, a perfeição de espírito, sendo imortalizado na imagem de Buda, abandonando assim tudo aquilo que nos prende ao mundo terreno.

Quando a religião islâmica reserva as virgens no paraíso, simbolicamente a religião não está reservando sexo com virgens, mas sim o prêmio da pureza, pela boa conduta na terra, contrariando o “erro” de Adão e Eva. E porque não dizer que Maria Madalena era a simbologia do reconhecimento do erro e da redenção? Também uma alegoria.

“Quem não pecou, que atire a primeira pedra”. Lembra-se dessa frase? Se todos nós nos sentimos invejados e não invejamos ninguém, a conta não fecha. Onde está a outra metade?

Aproximadamente 400 anos após o primeiro testamento um monge escreveu sobre as tentações mais perigosas da alma humana e aproximadamente 200 anos depois um papa de nome Gregório ter reexaminado o documento, o converteu no que conhecemos hoje como os sete pecados capitais, considerados como efeito destruidor de nossas almas. São eles: luxuria, inveja, gula, preguiça, avareza, ira e soberba.

Talvez estes pecados não sejam pecados por si só. Quem sabe os grandes mestres não tenham vindo apenas para nos dizer que estes sentimentos nos destroem por dentro, sem que tenhamos tempo de notar.

Na obra “A Divina Comédia”, Dante Alighieri incrivelmente narra a primeira parte que chama de Inferno, em requinte de detalhes, com muito fogo, dor e corpos nus em sofrimento e ao ler cada canto da obra, constatamos a existência dos pecados que residem em cada personagem.

Não importa se chamamos este local de inferno, hades, sheol, limbo ou umbral. Talvez seja papel da religião nos orientar de que, o local que Dante Aliguieri tão bem descreveu, não esteja lá fora, abaixo do solo ou em outra dimensão, mas dentro de um lugar que quase nunca procuramos: Dentro de nós!

* Robson Profeta é Coach Financeiro.



Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).