Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Até que enfim, Jogos Olímpicos no Brasil

Até que enfim, Jogos Olímpicos no Brasil

01/08/2016 Astrid Prange (DW)

Os Jogos Olímpicos do Rio não serão perfeitos, mas serão brasileiros.

O Rio de Janeiro é um lugar muito especial. E também por isso a "capital secreta do Brasil" exerce um fascínio irresistível sobre todos os participantes de grandes eventos: ambientalistas, foliões, católicos, torcedores de futebol e agora atletas olímpicos: no fundo, todos eles sonham com uma ida à praia de Copacabana.

Em menos de uma semana, o Rio de Janeiro dará a largada para os primeiros Jogos Olímpicos sediados na América do Sul. Desde o início dos Jogos da era moderna em Atenas, em 1896, esse evento esportivo ocorreu 21 vezes na Europa, quatro na Ásia, seis na América do Norte e duas na Austrália.

É, portanto, mais do que justificado que o maior evento esportivo do mundo também seja sediado por um país emergente da América do Sul. E quem mais, além do Brasil, poderia dar um sopro de renovação ao movimento olímpico?

Porque o Brasil é o país que, apesar de todas as profecias apocalípticas, sediou uma Copa do Mundo bem-sucedida em 2014. É o país que viu sua seleção ser massacrada de forma espetacular pela Alemanha – e os brasileiros, em vez de saírem quebrando tudo, tiveram a grandeza de dar os parabéns aos vencedores.

Muitos cariocas ficam perplexos diante da crítica contínua aos preparativos dos Jogos Olímpicos. Depois de aguentar durante anos as obras na sua cidade, eles ainda tiveram que assistir a um debate histérico sobre o vírus zika que levou à possibilidade, exposta de forma aberta, de transferir os Jogos para outro lugar.

E precisam ficar ouvindo reclamações de delegações sobre alojamentos em mau estado enquanto que, em outras edições dos Jogos, havia problemas de magnitude bem superior: em Atenas, em 2004, os estádios não ficaram prontos a tempo; em Pequim, em 2008, a marca registrada eram os constantes alertas sobre a poluição do ar; e em Sochi, na Rússia, foram investidos cerca de 40 bilhões de dólares nos Jogos de inverno mais caros da história.

Correto: também no Rio nem tudo é perfeito. A maravilhosa Baía de Guanabara ainda está poluída. A nova linha do metrô, que deveria chegar até a entrada do Parque Olímpico, deverá funcionar de forma restrita. E, para a construção de instalações esportivas, muitos moradores perderam suas casas.

Mas os Jogos Olímpicos serão realizados na América do Sul e não na Europa. E, ao contrário da América do Sul, cidades ricas da Europa, como Hamburgo, Munique, Estocolmo e St. Moritz, recusaram-se, por meio de referendos, a sediar os Jogos. Na Noruega foi o próprio governo que retirou a candidatura de Oslo devido às elevadas exigências do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Por isso, é ainda mais respeitável que uma metrópole como o Rio de Janeiro, com os graves problemas sociais que enfrenta, vá sediar assim mesmo os Jogos Olímpicos. Mais do que isso: é admirável como os cariocas, apesar do pessimismo e da crise política no próprio país, mantêm-se firmes ao ideal olímpico e à sua tradicional hospitalidade.

O Rio e seus moradores vão deixar sua marca nesses Jogos e dar a eles uma cara brasileira. Ainda bem! Os Jogos Olímpicos é que devem se adaptar à realidade de seu país-sede, e não estes às exigências cada vez maiores do COI.

A cidade e seus moradores vão provar que não são o gigantismo, a comercialização e o perfeccionismo que fazem dos Jogos Olímpicos um evento bem-sucedido, mas a hospitalidade e o entusiasmo esportivo da população. E se justamente nessa cidade especial começar essa mudança de paradigma para lá de atrasada, muito terá sido conquistado – pelo Brasil e em favor do ideal olímpico.



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso