Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Até que enfim, Jogos Olímpicos no Brasil

Até que enfim, Jogos Olímpicos no Brasil

01/08/2016 Astrid Prange (DW)

Os Jogos Olímpicos do Rio não serão perfeitos, mas serão brasileiros.

O Rio de Janeiro é um lugar muito especial. E também por isso a "capital secreta do Brasil" exerce um fascínio irresistível sobre todos os participantes de grandes eventos: ambientalistas, foliões, católicos, torcedores de futebol e agora atletas olímpicos: no fundo, todos eles sonham com uma ida à praia de Copacabana.

Em menos de uma semana, o Rio de Janeiro dará a largada para os primeiros Jogos Olímpicos sediados na América do Sul. Desde o início dos Jogos da era moderna em Atenas, em 1896, esse evento esportivo ocorreu 21 vezes na Europa, quatro na Ásia, seis na América do Norte e duas na Austrália.

É, portanto, mais do que justificado que o maior evento esportivo do mundo também seja sediado por um país emergente da América do Sul. E quem mais, além do Brasil, poderia dar um sopro de renovação ao movimento olímpico?

Porque o Brasil é o país que, apesar de todas as profecias apocalípticas, sediou uma Copa do Mundo bem-sucedida em 2014. É o país que viu sua seleção ser massacrada de forma espetacular pela Alemanha – e os brasileiros, em vez de saírem quebrando tudo, tiveram a grandeza de dar os parabéns aos vencedores.

Muitos cariocas ficam perplexos diante da crítica contínua aos preparativos dos Jogos Olímpicos. Depois de aguentar durante anos as obras na sua cidade, eles ainda tiveram que assistir a um debate histérico sobre o vírus zika que levou à possibilidade, exposta de forma aberta, de transferir os Jogos para outro lugar.

E precisam ficar ouvindo reclamações de delegações sobre alojamentos em mau estado enquanto que, em outras edições dos Jogos, havia problemas de magnitude bem superior: em Atenas, em 2004, os estádios não ficaram prontos a tempo; em Pequim, em 2008, a marca registrada eram os constantes alertas sobre a poluição do ar; e em Sochi, na Rússia, foram investidos cerca de 40 bilhões de dólares nos Jogos de inverno mais caros da história.

Correto: também no Rio nem tudo é perfeito. A maravilhosa Baía de Guanabara ainda está poluída. A nova linha do metrô, que deveria chegar até a entrada do Parque Olímpico, deverá funcionar de forma restrita. E, para a construção de instalações esportivas, muitos moradores perderam suas casas.

Mas os Jogos Olímpicos serão realizados na América do Sul e não na Europa. E, ao contrário da América do Sul, cidades ricas da Europa, como Hamburgo, Munique, Estocolmo e St. Moritz, recusaram-se, por meio de referendos, a sediar os Jogos. Na Noruega foi o próprio governo que retirou a candidatura de Oslo devido às elevadas exigências do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Por isso, é ainda mais respeitável que uma metrópole como o Rio de Janeiro, com os graves problemas sociais que enfrenta, vá sediar assim mesmo os Jogos Olímpicos. Mais do que isso: é admirável como os cariocas, apesar do pessimismo e da crise política no próprio país, mantêm-se firmes ao ideal olímpico e à sua tradicional hospitalidade.

O Rio e seus moradores vão deixar sua marca nesses Jogos e dar a eles uma cara brasileira. Ainda bem! Os Jogos Olímpicos é que devem se adaptar à realidade de seu país-sede, e não estes às exigências cada vez maiores do COI.

A cidade e seus moradores vão provar que não são o gigantismo, a comercialização e o perfeccionismo que fazem dos Jogos Olímpicos um evento bem-sucedido, mas a hospitalidade e o entusiasmo esportivo da população. E se justamente nessa cidade especial começar essa mudança de paradigma para lá de atrasada, muito terá sido conquistado – pelo Brasil e em favor do ideal olímpico.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.