Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Organizar as finanças do casal pode evitar brigas

Organizar as finanças do casal pode evitar brigas

23/09/2017 Dora Ramos

O casal precisa se sentar para conversar e definir como gerir as contas.

É muito comum ouvirmos de especialistas e até mesmo dos próprios casais que o dinheiro – ou a falta dele - sempre foi um dos principais motivadores de divórcios e separações.

Eu, sinceramente, não tenho como afirmar isso, mas defendo que a saúde financeira sempre está diretamente ligada a uma vida feliz, independentemente do estado civil em que a pessoa se encontra. Na verdade, não existe uma forma pronta, que possa se encaixar em qualquer relacionamento, porém um fator é essencial: falar sobre dinheiro.

Esse é um tabu presente em muitos casamentos de décadas, e precisa ser derrubado. O casal precisa se sentar para conversar e definir como gerir as contas. É preciso colocar na ponta do lápis ou em uma planilha as despesas comuns, como gastos certos de todo mês, prestações do cartão de crédito, financiamento de bens maiores (geladeira, televisão, carro, casa etc.), possibilidades de poupança e preços de coisas menos essenciais, como viagens e presentes em épocas de festas.

Depois de relacionar todas as despesas, o casal deve pôr na ponta do lápis os salários, a fim de determinar qual a contribuição de cada um para as contas, seja em valores brutos ou em percentual. No caso de profissionais liberais, isso pode variar de mês em mês, no entanto o planejamento conjunto e o diálogo também podem evitar surpresas desagradáveis e, consequentemente, brigas.

Outra discussão muito presente é a opção por uma conta e um cartão de crédito conjuntos. E a dica também é semelhante: é necessária muita conversa para definir se a melhor alternativa é uma conta para os dois, uma para cada ou contas individuais e outra para o casal.

Não há uma regra, mas é necessário saber quão desconfortáveis os dois se sentem ao compartilhar as informações de seus gastos. Contar com a ajuda e a confiança do parceiro, abrir mão de gastos desnecessários, dividir as despesas de forma justa e, acima de tudo, conversar são fatores que garantem um orçamento planejado.

E, ao menos no ponto de vista financeiro, uma vida saudável ao casal.

* Dora Ramos é orientadora financeira e diretora da Fharos Contabilidade & Gestão Empresarial.



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.