Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Orgasmo feminino: como chegar lá?

Orgasmo feminino: como chegar lá?

04/05/2016 Tatiana Leite

Pesquisa indica que 50% das brasileiras possuem dificuldade para atingir o clímax.

Ver estrelas, subir pelas paredes, revirar os olhos de prazer. É difícil encontrar uma mulher que não deseje essas sensações em seu relacionamento.

Contudo, por mais que seja muito buscado, o orgasmo ainda é visto como um grande tabu e a experiência quase extracorpórea descrita em filmes e revistas faz com que muitas mulheres se questionem se de fato já conseguiram chegar lá ou não. Mas, afinal, como saber?

Muitas vezes, nos sentimos culpadas por não atingir o tão esperado orgasmo. Porém, isso pode acontecer por diferentes motivos, principalmente por se tratar de um assunto que causa tantas dúvidas e é rodeado por inúmeros mitos e tabus.

Geralmente, essas falsas crenças relacionadas a sexo, sexualidade, masturbação e orgasmo são cultivadas por pessoas que tiveram uma educação mais rígida, Em tempos quando ainda não se conversava abertamente sobre esses temas.

É comum, por exemplo, ouvirmos relatos de mulheres que se sentem bloqueadas e ansiosas durante a relação, por terem vergonha ou até mesmo receio sobre o que o parceiro pode pensar sobre suas fantasias e desejos sexuais e, por isso, preferem fingir que chegaram ao orgasmo, quando na verdade não sentiram.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Projeto de Sexualidade da USP (ProSex), aproximadamente 50% das brasileiras possuem dificuldade para atingir o clímax na relação sexual, por motivos como vergonha, receio e até por falta de conhecimento do próprio corpo.

Em outros casos, o que atrapalha é a preocupação em fazer com que o parceiro sinta prazer e consiga atingir o auge na relação sexual, fazendo com abdiquem da sua própria satisfação para impressioná-lo ou por medo de perdê-lo.

Nesse momento, podemos identificar outro problema comum nas relações amorosas que é a preocupação excessiva com a performance.

A ansiedade focada no desempenho ou no objetivo final de atingir o orgasmo pode fazer com que deixamos de nos entregar as sensações do encontro sexual.

Essa atitude pode levar a um distanciamento cada vez maior do prazer de ter um orgasmo, causando consequências negativas para sua autoestima e comprometendo sua relação a dois.

Agora, vamos ao que interessa! Para atingir o orgasmo nós mulheres precisamos de uma quantidade de sangue na região pélvica, bem maior que os homens precisam para a ereção.

Por esse motivo, levamos mais tempo para estarmos excitadas e com a vagina lubrificada nos preparando para a penetração.

Para que você consiga chegar lá é importante estabelecer uma boa comunicação sexual, converse com seu parceiro, descubra com ele o que te traz mais satisfação, o orgasmo costuma acontecer quando você se entrega, se envolve na hora do sexo.

Para isso, é necessário sintonia, cumplicidade e muita intimidade sexual. Explore as zonas erógenas, perceba o toque, a respiração, os sons, o cheiro e o ambiente. Assim, quando você menos esperar o orgasmo virá!

Vale lembrar que preliminares, caricias, palavras românticas e eróticas e o estimulo a outras partes do corpo, como coxas e costas, antes de chegar no clitóris, são fundamentais para a excitação e o prazer na hora do sexo.

Uma coisa é certa quando você chegar lá, você saberá! Não terá duvidas e sentirá uma sensação de completude. Afinal, o que buscamos nos encontros sexuais é a entrega de ambos com respeito e muito prazer.

* Tatiana Leite é terapeuta de casal e família com especialização em Sexualidade Humana.

Fonte: InformaMídia Comunicação



O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.